Um índio passeia no Senado

Estava passando por um dos corredores do Senado Federal, em Brasília, quando observei a cena. Um índio da tribo Bororó, com seu belo cocar de penas multicores olhava espantado para um pai que tentava acalmar a agitação de seu filho, de 6 ou 7 anos. O pai dizia ao menino que se ele não se comportasse mandaria aquele índio lhe pegar. O filho se escondeu entre as pernas do pai. O cacique tinha também certa expressão de medo… ou seria de surpresa? Esta cena retrata bem a maneira com que tratamos os nossos índios e também a forma como educamos nossos filhos. Os índios são rotulados como pessoas muito perigosas, a quem devemos temer, selvagens. As crianças ao invés de serem orientadas a terem respeito pelos descendentes dos primeiros habitantes do Brasil são induzidas a vê-los como pessoas perigosas. Precisamos libertar os índios da profunda solidão social em que os aprisionamos. E respeitar sua história, sua espiritualidade, sua visão de mundo. É o mínimo que podemos fazer.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado