Sei contar histórias de crianças sem lar…

Bruno Zaminsky, escreveu um texto muito oportuno. Tomo a liberdade de compartilhar alguns excertos. Ele escreveu: “Sei contar histórias de crianças sem lar, desconhecendo os próprios pais e que, abrigadas por organizações sociais, nem assim conhecem o aconchego de um abraço. Mas sei de histórias felizes, recheadas de abraços, demonstrações de carinho, plenas de vida e amor. Diz-nos um amigo que não sabe mais viver sem receber abraços dos familiares, dos amigos, de tanto que eles representam para sua felicidade. Conta-nos um professor que a melhor maneira de reconciliar alunos e provocar a união é colocar em prática a pedagogia do abraço: que todos, em sala de aula, num determinado momento, abracem-se, aconcheguem o colega, sintam o outro, e tudo passa: as mágoas vão embora e a amizade se estabelece. Entretanto, um menino de rua desabafava: “não tenho um pai e uma mãe que me dêem um abraço; não tenho um peito amigo para aconchegar minha cabeça; não posso sentir as batidas do coração desse alguém que me acolha nos momentos de dúvida ou de felicidade; não tenho braços firmes que me sustentem na caminhada da vida; não tenho quem me dê exemplos; estou sozinho. Por que você, que caminha ao meu lado, não me dá atenção, não me abraça? Sou criança, quero ser feliz, quero conhecer esse sentimento tão bonito que se traduz através de um abraço”.

One Response so far.

  1. soraia disse:

    Achei muito oportuno, pois dentro da aula dominical que darei as crianças de nossa igreja, cujo tema é SERVIR, falaremos também no momento missionário sobre as crianças sem lar, e eu gostaria muito de ler para elas o texto escrito por Bruno.
    Deixo uma interrogação: O que crianças que tem um lar, pode fazer por crianças sem lar? Deixe suas idéias se possível. Muito obrigada.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado