Camelos também choram

Camelos tambem choram 01Assisti nos últimos dias, com minha esposa Ceres e minhas filhas Anísa (16) e Lara (7) ao filme de Byambasuren Davaa e Luigi Falorni. Foi o “Camelos também choram”. O filme trata de uma família nômade do deserto de Gobi, na Mongólia, que tenta desesperadamente salvar um filhote de camelo que nasce com uma rara coloração branca e é rejeitado pela mãe. A família recorre a um método tradicional da região: recrutam um músico para tocar uma canção que faria a “mãe camelo” sentir remorso e reclamar a guarda do filhote. E a história comove o que temos de mais humano em nós: a emoção. E nos faz pensar nos temas recorrentes da relação mãe/filhos, afeto/rejeição. A delicadeza do roteiro e a sinceridade dos personagens nos faz liberar os mais puros sentimentos. O bom é que o filme que não trata de nenhuma missão impossível, não aborda nenhum retorno do Batman e não traz nenhum efeito visual espetacular ou espetaculoso. É tudo de carne e osso, tecido com fios da mais elevada sensibilidade. Até o camelo é um camelo. Enfim, Camelos também choram é uma lufada de ar puro na sétima arte. Vejam se o filme passar em sua cidade. Ou então contentem-se em ler tudo sobre o filme. Nosso coração merece.

One Response so far.

  1. Janaína disse:

    Fiquei com Muita vontade de ver o filme!!!!
    eu que sou pura emoção,
    com certeza irei vê-lo.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado