O que fazemos com as “boas ocasiões”?

As boas ocasioesO filósofo norte-americano Ralph Waldo Emerson disse: “Como todas as ocasiões, essa ocasião é muito boa se apenas soubermos o que fazer com ela”. De que adianta termos ótimas ocasiões se não soubermos o que fazer com elas? Eis o ponto. Pouca gente sabe o que fazer com o seu tempo. Desperdiça-o com lamentações inúteis e afetadas declarações de auto-piedade, quando deveria batalhar por objetivos, mesmo que não factíveis, utilizando como trunfo a experiência adquirida, o conhecimento acumulado e as emoções sentidas. Isso me faz lembrar de minha avó. Dona Querubina, com seus 83 anos de idade, contava que uma velhinha sempre chorava quando a vida estava muito boa, quando estava feliz. E ria até não mais poder quando tudo parecia desabar, quando era desgraça atrás de desgraça. Com ar solene, minha avó então dizia: “Ela fazia isso porque sabia que depois do tempo ruim vinha o tempo bom, e depois do tempo bom vinha o tempo ruim”. O nosso desafio pessoal é saber sincronizar tempo bom com felicidade e tempo ruim com esperança.

3 Responses so far.

  1. Fabricio Mota disse:

    Reforçando a qualificação do seu site. Parabéns.
    Aproveitou a “boa ocasião” da tecnologia da Internet, e trouxe ao mundo – do qual é cidadão – a oportunidade de se enriquecer com bons pensamentos.

    Abraços

    FM

  2. Dad disse:

    A maioria das pessoas não aprendeu a “viver o momento que passa”; passa o mundo cheio de medos do que há-de vir e entretanto vai perdendo o seu tempo com lamúrias inutéis. Na mentalidade da maioria das pessoas, lamentar-se de tudo e todos faz parte da demonstração de seriedade com que se deve levar a vida, esquecendo-se que estamos aqui para ser felizes e não para “chatear” os outros…
    às vezes as razões da lamúria são tão pueris que realmente parecem um relógio avariado que só serve para matraquear os miolos de quem os ouve. Melhor seria que agissem! O problema é que esperam tudo dos outros sem dar nada delas próprias…
    Acho que o meu relógio já não tem pachorra para aturar esses “lamurientos” quando há tanto de bom e útil para fazer no dia a dia!

  3. Janaína disse:

    Concordo com o que o texto explicita, que bom se acreditássemos que sempre chegarão as boas ocasiões, que depois da Tempestade vem a Bonança.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado