Tudo, menos deixar a vida me levar

Pressa e culto a velocidadePressa, aceleração, ritmo frenético. Essas são algumas características da pós-modernidade. Nada parece ser feito de forma, vamos dizer, natural, do tipo “deixe a vida me levar… ” Ao contrário, a pressa e o culto à velocidade estão entranhados em nossa vida diária. Sempre queremos ganhar uns minutinhos aqui, outros ali. Ultrapassamos carros com um sorriso (nervoso) do vencedor, daquele que acabou de ganhar mais tempo e, com isso, na maioria das vezes, arriscamos a nossa e a vida dos outros. Jantamos em um restaurante e antes memso de degustarmos o prato principal, eis-nos pedindo já a conta. Ligamos a televisão e ao mesmo tempo abrimos o jornal ou deixamos um livro logo ao alcance da mão. Atendemos o telefone com as mãos sobre o teclado respondendo a uma mensagem. Deixamos uma pessoa à nossa frente enquanto atendemos o celular e o telefone fixo e ainda tentamos abrir um novo site que nos foi indicado no último email que recebemos. Não sei não… mas uma história como essa não terminará bem. E não preciso ser nenhum mago para pressentir isso. O que acontecerá com a qualidade dos nossos relacionamentos? O que será do humano que tenta sobreviver em nós? Onde ficará a fome do sagrado, o anseio de beleza, a luta pelo justo?

12 Responses so far.

  1. Karam disse:

    …sempre me pergunto depois da escalada no ínicio do jornal… “não aconteceu nada de bom hj????”

  2. Fabricio Mota disse:

    Há algumas semanas atrás, vi uma estatística que mostrava que uma fatia bastante consideravel (não me lembro exatamente quanto) dos nossos esforços diários de trabalho é despendida em atividades que não levarão em nenhum resultado. Em outras palavras, trabalho totalmente inútil.

    Eu ouso a dizer que este desperdício não acontece só na vida profissional. Também na vida acadêmica, na vida pessoal, no lazer, no cinema, no trânsito, no bar, no clube, onde quer que seja. Este é o ritmo frenético do dia-a-dia, e nos condicionamos a tal. E é uma bola de neve tão grande que encobre o nosso horizonte, e por horas nos faz perder a visão do real objetivo das coisas.

    Esta correria parece não ter começado de agora. Apesar da minha curta e quase insignificante vida no planeta terra só me permitir traçar conclusões palpáveis a partir da década de 80, é notável o quanto as pessoas – hoje, ironicamente conectadas entre si pela internet, WAN’s, MAN’s, LAN’s, redes sem fio, chat, emails, etc. – se distanciam uma das outras há décadas. Nem precisa ter vivido os tempos anteriores dá pra entender o que Paulinho da Viola queria dizer com “Sinal Fechado”, profecia ou não.

    Agora, se fizermos uma análise exterior da nossa própria vida, veremos que até mesmo este tempo em que gastamos com atividades “úteis” e “grandes causas”, são questionáveis. Vivemos uma correria danada, protelamos esportes e outras atividades de lazer essenciais à saude, e uma série de outras coisas que trazem a serena simplicidade à vida, com rotinas de atividades que contribuíram ao nosso dicionário com uma nova palavra: STRESS.

    Também vale observar que investimos muitos anos, e muitos milhares de reais, em cansativas e intermináveis Graduações, MBA’s, mestrados, doutorados, títulos, títulos e mais títulos, buscando sobretudo, ao final, o que se venera como “qualidade de vida”. Irônico isto não?

    Por fim, só posso concluir que o ritmo frenético ao qual estamos submetidos – e vale dizer, nos submetemos muito mais por conta própria do que pelo que realmente nos julgamos como vítimas – em certas horas, parece nos causar mais prejuízo do que benefícios. E agora, resolver este problema já saiu do escopo do bom senso. Agora é uma questão cultural.

  3. ivan disse:

    comigo, já começaram os estragos… e só tenho 26 anos. mas já perdi muita coisa à conta das correrias. e ainda não ganhei nada. apenas alguns trocos. mas perdi o que mais queria.

    e a minha sanidade mental tb não anda lá muito boa…

  4. Pois é, às vezes escuto o coração. Jogo parcialmente tudo pro ar e vou ao cinema. Depois chego correndo pra descontar o “tempo perdido” com a cabeça mais descansada. Bom em vez de um cinema, ou show, como faço, poderiamos brincar com um filho, com o mairdo, esposa. Fugir da rotina. Isso faz bem, mas precisamos ousar mais na escolha de trocar o trabalho pelo lazer!

  5. Luz Dourada disse:

    Ó Filho do Homem!

    São muitos os dias que por ti passaram, enquanto te ocupavas com as tuas fantasias e vãs imaginações. Quanto tempo haverás de permanecer sonolento, no teu leito?
    Levanta a tua cabeça do sono, pois o Sol já subiu ao zénite e talvez faça brilhar, sobre ti, a luz da beleza.”

    Bahá’u’lláh

    Umas palavras inspiradas fazem sempre bem à nossa alma sedenta.
    Beijinhossssssss

  6. Pedro Marques disse:

    Querido Washigton,

    Ainda te lembras de mim? Pedro, do Geração Viva, grupo de dança Bahá’í de Portugal. Conhecemo-nos quando cá estiveste numa Escola de Verão em Monchique, Algarve.

    Serve este e-mail para dar uma força ao teu blog, deixar um sincero olá e um forte abraço. Aparece também pelo pequeno e humilde espaço internético: http://www.tigredatasmania.blogspot.com

    Quanto ao tempo… Ainda hoje me deixei ficar na praia, com o quente sol a beijar-me as faces, como se o tempo não percorresse o relógio nem esvaziasse a ampulheta… Aproveitemos os pequenos momentos de prazer da vida terrena e deixemo-nos envolver pelos caminhos inexcrutáveis do pensamento.

    Um abraço,

    p

  7. Vânia disse:

    Meu tempo esgotou na Net. Portanto, deixo o comentário para a próxima. Com o tempo que restou, deixo meus parabéns pelo Blog e pela iniociativa.
    abraço.
    Vânia.

  8. aurelio gerhard disse:

    Adorei este novo espaço. É realmente interessante e muito rico de possibilidades de troca e ajuda mútua. Ouvindo na rádio CBN uma empresária recém-saída de um acidente vascular cerebral ( AVC ) ela passou a seguinte mensagem para nós apressadinhos e maquininhas ambulantes: Coloque você na sua agenda. Abraços.

  9. Jhullyanna Cintra disse:

    Adorei saber deste espaço que você Tom expoe suas idéias com tanta exatidão e coerencia.
    Creio que este ritmo que vivemos em meio ao caos, é o começo de uma desumanização em massa.
    Passamos a fase humana vivemos alienados a maquinas a codigos de barra.
    Nós esquecemos de tudo, o superficialiadade se tornou habito e assim o caos continua se estalando!
    Até quando ?
    O homem já foi a lua mas é incapaz de apertar a mão do proprio vizinho.

    Com amorosas saudações bahá’ís
    Até breve

    Parabensss

    Jhullyanna Cintra

  10. Lanna A. de Paula disse:

    Pooo, como falou Cazuza…’Vida louca vida, vida breve’!!! Deixem suas marcas!!! Como está escrito na Palavra Oculta … o Sol já subiu ao zênite e “TALVEZ” faça brilhar, sobre ti, a luz da beleza. Reflexão!!!

  11. Azevedo disse:

    O Profeta disse quando a você se preocupar com a eternidade:

    “Passou a sega, findou o verão e nós não estamos salvos” – Jeremias 8:20;

    Eu digo correram a decadas, os anos, os dias, as horas, os minutos, os segundos e eu não consegui aproveitar a vida, devido a grande correria.

    Jesus Cristo, falando sobre a preocupação de alguém que poderia morrer antes de aproveitar as suas riquezas, pois estava preocupado em adquirir mais – Lucas 12:14 a 21 – diz a parábola:

    15 E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui.
    16 Propôs-lhes então uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produzira com abundância;
    17 e ele arrazoava consigo, dizendo: Que farei? Pois não tenho onde recolher os meus frutos.
    18 Disse então: Farei isto: derribarei os meus celeiros e edificarei outros maiores, e ali recolherei todos os meus cereais e os meus bens;
    19 e direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe, regala-te.
    20 Mas Deus lhe disse: Insensato, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
    21 Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.

    Nesta vida devemos nos preocupar com muitas coisas, porém existem ações que não podemos deixar para depois, como por exemplo: Cuidar dos filhos, amá-los, instruí-los, para uma vida honesta para com os homes a principalmente para com Deus; jamais vilentando/manipulando os direitos e liberdade em todos os sentidos de seu próximo; sem escravizá-los às sua idéias e conclusões que podem estar erradas, pois afinal ninguém é dono da verdade; mas existem verdade que são universais, como estas acima citadas, que constam na Bíblia.

    Portanto temos que ter equilíbrio em tudo.

    Abraços

    Alberto Azevedo

  12. Loree disse:

    … Ho comunque corretto l&ili17;ed#tor2a8e, specificando che mi riferivo al passato. Dal contesto comunque si capisce che mi riferisco in generale al Paese, non ai cattolici e non certo ai cattolici durante la visita del Papa.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado