Arqueólogos do futuro

Elizabeth Ginway e os arqueologos do futuroAcabo de ler um texto curioso de Elizabeth Ginway (foto). Ela é professora e pesquisadora de literatura brasileira da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos. Ela trata da forma como os escritores de ficção abordam futuro. Cita por exemplo que o escritor Ignácio de Loyola Brandão imagina um futuro em que a Amazônia já se converteu em deserto, e as pessoas são incineradas em bolsões de calor, enquanto o governo gaba-se de tudo como se fosse uma série de êxitos. Espero que este não seja seu mundo. Que um outro ficcionista, Braulio Tavares, imagina em um de seus contos um Rio de Janeiro onde a cabeça do Cristo Redentor é decepada por uma gangue e a praia de Ipanema é convertida num aterro até as ilhas do Atlântico. Alguns escritores são mais realistas. É o caso de Ivanir Calado ao prever o Rio de Janeiro, a nossa eterna Cidade Maravilhosa, dividida por uma muralha entre a Zona Norte e Zona Sul. Ivanir visualiza uma grande favela em uma abandonada ponte Rio-Niterói. E por aí vai, os cenários são sempre pessimistras, onde as coisas parecem dar errado o tempo todo. Por mim, acredito que há espaço para algumas melhorias nas relações humanas. Entendo que estamos em meio às dores de parto de um novo mundo. Isso sem qualquer sentimentalismo piegas, ingênuo. É que acho que depois das bombas em Hiroshima, dos fornos crematórios nazistas, da epidemia do vírus HIV e da corrupção endêmica em muitos países, o fim do poço parece estar próximo muito próximo. Depois é começar o longo trabalho de reconstrução.

9 Responses so far.

  1. Washington, fiquei honrado com sua visita ao meu blog. Volte sempre. Depois lerei seu blog com mais calma. Mas cuidado, eu tenho o péssimo hábito de aproveitar os comentários de blogs alheios para chamar leitores para o meu (risos!). Sempre aproveitando algum gancho, claro. Abraços.

  2. José Alves Garcia disse:

    Muito interessante o ponto de vista de Elizabeth Ginway, os poetas, escritores e outros “colegas de profecia” talvez pensem que conseguirão uma fatia maior do mercado, ou mais facilidade na edição da obra se eles atuarem como profetas do caos, no entanto, a humanidade anseia por paz e necessita dessa paz. Contribuem muito os poetas, dramaturgos e escritores que conseguem cristalizar, em suas obras, a esperança verdejante de um futuro harmonizado entre progresso científico e uma constante evolução espiritual do indivíduo.Forte abraço.

  3. Tiago disse:

    Querido Tom,

    Como sempre o teu blog é uma fonte de ideias e reflexoes… No caso dos “futurologos” e outros autores de ficçao (e desde muito jovem tenho sido muito proximo a este genro literario) o problema sempre é que nao se podem livrar do seu atual “marco conceitual” e as projecoes que entao fazem so refletem o limitado horizonte que tem a frente deles. Mas considera se focem alimentados por documentos como o recem (março 2005) publicado “Uma Fe Comum” (“One Comon Faith”) pelo Centro Mundial da comunidade Baha’i… as perspectivas sobre o futuro e a propia literatura de “ficçao” mudaria obligatoriamente. Comprender os processos nos quais estamos participando e as verdadeiras possibilidades que tem a humanidade permite aperceber qual tem sido o desenvolvimento desta mesma humanidade e o seu potencial e futuro.

    Qual é o futuro da humanidade? MUITO maior do que podemos imaginar e sonhar!!….

    Um abraço!

    T_

  4. Tiago Dória disse:

    Oi Washington!

    Obrigado pela visita e os elogios

    Retornarei mais vezes ao seu blog

    Abraços

  5. Adriana disse:

    Como sempre, o senhor nos traz um tema interessante atrás do outro! Parabéns. Mas quanto ao tema, gostaria muito de presenciar esse novo dia prometido. Acredito mesmo que ele virá. Mas quando?

  6. Washington, creio que não. Chernobyl ainda polui o mundo e o poluirá até o fim dos tempos, graças aos homens. A Amazônia está em vias de desaparecer, no limite do ponto em que a quantidade de chuvas não será mais suficiente para alimentar a vida na região, graças à fome dos homens e à sua agropecuária que alimenta multidões de inconscientes a um custo incalculável. A vida está cada vez menos valiosa ante a uma simples marca de tênis e os verdadeiros problemas que afetam a vida na Terra interessam menos que a taxa do câmbio ou a conta do telefone celular. O homem ainda é o pior e o mais egoísta dos animais, devora-os, devora-se, e se vangloria assim mesmo. A Terra é um ponto passageiro no infinito do Universo e isso é a única coisa boa: saber que acabará.

  7. Olá Tom, super legal seu blog. Como você sabe o meu contato com o computador não é muito sistemático, mas venho aprendendo muitas coisas interessantes. Sobre o assunto em questão: Arqueólogos do Futuro, penso que, assim como presenciamos a rapidez com que os fatos ocorrem em nossos dias, tenho profunda esperança que a tomada de consciência ocorrerá também na mesma velocidade, uma vez que quando a dor é muito forte logo corremos para achar o remédio. E a humanidade é sábia e saberá encontrar rapidamente o Médico e adotará Sua receita sem exitação. Obrigado. Um grande abraço. Aurélio.

  8. Bijan Ardjomand disse:

    Caro Tom,

    Acho que não se trata de ser pessimista. uma coisa que tenho aprendido nos últimos 3 anos é ver o lado positivo de todas as coisas. Mesmo das coisas que aparentemente, ou de imediato me parecem calamitosas. Se toda essa situação descrita pelos diversos autores que você citou servir para melhorar a humanidade, que aconteça! Não é verdade que Deus enviou o dilúvio para purificar a humanidade? Não é verdade que Deus disse que não haveria mais dilúvio? … É, mas pelo que me consta Ele não disse que dessa vez não seria fogo. O fogo também serve para purificar. Segundo Shoghi Effendi, “…um processo purificador para toda a humanidade. Seus fogos punem a perversidade da espécie humana, mas haverão de fundir suas partes componentes numa comunidade orgânica, indivisível, mundial.” Portanto, meu caro, não considero esses autores pessimistas. Embora eu saiba que este ponto de vista não é muito aceito pela mente ocidental, acho que há momentos em que somente muito muito sofrimento pode transformar a vida do ser humano, tanto individual como coletivamente.

    Um grande abraço, Bijan

  9. Regina disse:

    Olá meu anjinho, vim aqui para lhe dizer que seu blog esta cada vez mais lindo, toda vez que entro aqui me encanto, lhe convido para dar uma passadinha no meu mundinho, sinta-se sempre em casa. Por favor se não tiver, aceite meu presentinho, R 03. Se vc souber de uma vaga de emprego na área administrativa, esse ano me formo em secretariado executivo, aqui próx a minha região me avisa estou precisando muito

    Tenha uma linda Quinta feira
    Bjos

    Beijinhos

    Regina


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado