Barbie banida em Israel

Barbie banida em IsraelA Agência espanhola Efe informa que a boneca Barbie perde o reinado nos jardins-de-infância israelenses. E assim, o reinado de Barbie, a boneca americana loira e de olhos azuis que representou o ideal de beleza feminina durante gerações, chegou ao fim nos jardins-de-infância de Israel. Desde o começo do atual ano letivo, as crianças estão tendo à disposição todo tipo de bonecas para suas brincadeiras, algumas gordinhas, em oposição à alta e magra Barbie. A população negra – os judeus africanos, procedentes da Etiópia – aumentou nos últimos 20 anos, e atualmente enfrenta problemas de racismo ao se inscrever em determinadas escolas e no Exército. “A percepção que meninos e meninas têm de si e de seus corpos limita entre os mesmos a liberdade para desenvolver afeições”, alegou Miriam Shejter, diretora do Departamento para a Igualdade entre os Sexos, ligado ao Ministério da Educação. Organizações feministas nos Estados Unidos, onde nasceu Barbie, protestaram com o argumento de que “as proporções do corpo da boneca são inatingíveis” a seres humanos. Sob pressão pública, a companhia que as fabrica reduziu as dimensões de seus seios. “As meninas sentem que não são suficientemente belas, magras ou altas em comparação com a Barbie”, disse Shejter ao jornal Yediot Aharonot. Como vemos o mundo todo está ligado em semear sementes de tolerância desde a mais tenra infância. E é bom que essa notícia venha de Israel, que convive com a violência diária entre judeus e palestinos.

2 Responses so far.

  1. Fabricio Mota disse:

    Nas entrelinhas reside mais uma prova de que os nossos valores – os conceitos que circundam o belo, o bom, o digno, o moral e o ético, o sexo e o prazer – não provém do divino, do profano e nem da personalidade tanto quanto da nossa própria criação.

    []

  2. Bijan Ardjomand disse:

    Parabéns às crianças israelenses. Esta medida deveria ser adotada no mundo inteiro.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado