Aconteceu em 20 de outubro de 1819

20 de outubro de 1819 03Há exatos 184 anos nascia em Shiráz um personagem singular na História. O local era a Pérsia e o ano, 1819. Era singular porque foi a causa de uma revolução nos campos social, filosófico e religioso de sua pátria. Suas armas? O verbo que transformava vidas, coraçóes e mentes. Subverteu esrtruturas arcaicas, apodrecidas pelo vírus do fanatismo e intolerância. Falou de direitos iguais para mulheres em uma época em que à mulher se reservava tão somente a submissão irrestrita ao chefe da família. Discursou em Meca, afirmando ser nada menos que o Prometido. Destacou que o tempo predito pelas escrituras religiosas do passado se cumpriam com seu aparecimento. Cativou cidadãos ricos e pobres, cultos e iletrados. Foi sujeitado a terríveis castigos físicos, como a bastonada. Foi encarcerado na solidão de masmorras construídas no topo de montanhas do Azerbaijão persa. Mesmo assim continuou aquilo para o qual havia sido criado: anunciar um novo tempo na história humana. Anunciou de forma enfática a vinda de um grande Educador Mundial. Aos 31 anos incompletos foi suspenso junto com um discípulo na praça de Tabriz e recebeu uma carga de 750 tiros de fuzis. A tragédia ocorreu em 9 de julho de 1850. Historiadores do século XIX informam da existência de 10.000 testemunhas oculares desse fuzilamento. Leon Tolstói ficou comovido com a história deste jovem mercador de Shiráz e escreveu uma peça de teatro que correria alguns teatros europeus, tendo como uma das principais personagens a atriz Olga Grinewskaya. Comte de Gobineau, Ernest Renan, Edward Browne e A.L.M. Nicholas escreveram exaustivamente sobre sua vida e deixaram testemunhos eloqüentes da nobreza de seu pensamento e da natureza espiritual de sua missão. Uma vez morto, seus restos mortais não tiveram descanso por 59 anos, sendo abrigado em diversas casas, várias cidades, diversos países, cruzando mares até que alcançou o monte Carmelo, na cidade de Haifa, em Israel. Seu nome era Ali Muhammad. Mas ficou conhecido simplesmente como O Báb, nome que em árabe significa “Porta”. Seu lugar de descanso tem uma bonita cúpula dourada e é embelezado por jardins de tirar o fôlego, tal a beleza. O local é conhecido como o Santuário do Báb. E é reverenciado por mais de 6.000.000 de pessoas que vivem em praticamente todos os países do mundo.

3 Responses so far.

  1. Um bom feriado para todos aí no Brasil!
    🙂

  2. Apenas um vislumbre da Grandeza do Báb!! A Porta.

    A
    SUBSTÂNCIA da qual Deus Me criou não é a argila de que outros foram moldados. A
    Mim conferiu Ele aquilo que os versados na sabedoria do mundo jamais poderão
    compreender, nem os fiéis descobrir… Sou um dos pilares que sustentam a Palavra Primaz
    de Deus.

    (O Báb, Selecao dos Escritos de Bab)

    Sou o Ponto Primaz do qual se geraram todas as coisas criadas. Sou o Semblante de
    Deus, Cujo esplendor jamais se poderá obscurecer, a Luz de Deus, cujo brilho não se
    esvairá jamais. A quem Me reconhece, segurança e todo o bem esperam, e aquele que deixa
    de Me reconhecer, há de enfrentar o fogo do inferno e todo o mal…

    (O Báb, Selecao dos Escritos de Bab)

  3. Dad disse:

    E pensar que pelo mundo inteiro hoje comemora-se esse dia…
    Era um dia como outro qualquer e passou a ser um dia diferente…


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado