Por um país com menos armas

Para livrar o Brasil das armas 01Leitores deste blog me escrevem querendo saber como irei votar no próximo dia 23 de outubro. Nesse domingo mais de 120.000.000 de brasileiros irão às urnas. E responderão se o comércio de armas de fogo e munição deve ou não ser proibido no país. Há 500 anos este comércio é permitido. Portanto, votar NÃO significará manter tudo como está. Há que se entender que por trás dessa questão muitos interesses estão em jogo. Existe um lobby – pesado, diga-se! – da indústria de armamentos, indústria poderosa e que levou o Brasil a ser um dos maiores exportadores de armas do mundo. Tem também a chamada bancada da bala, formada por deputados e senadores que mantêm ligações estreitas com a indústria fabricante de armas. É certo também que um grande contingente de pessoas votarão NÃO por acreditarem que se o SIM ganhar perderão um direito constitucional, o de se proteger de forma adequada. Entre 2004 e 2003 o número de mortes causadas por armas de fogo no Brasil diminuiu 8,2%: em 2003 foram 39.325 mortes e em 2004, esse número baixou para 36.091. É óbvio que isso tem a ver com os bons resultados da campanha pelo desarmamento com a entrega de milhares de armas em poder da população. Foram salvas nada menos que preciosas 3.234 vidas. Não terá chegado o momento para se dar uma chance à alternativa de um Brasil sem armas?

6 Responses so far.

  1. Aleksandr Christian disse:

    O cidadao em si não tem uma opniao própria para as coisas, é tanto que a TV influencia um pouco a opnião destes, tanto com argumentos fortes e um pequeno intrigante problema, o cidadao não gosta de perder direitos mesmo sendo ruins, ao certo pela ignorancia de alguns relacionado a esse tipo de assunto.
    E também existe a questão da violência, certo que dizem que quem deveria ter as armas eram os policiais, mas agora ninguém sabe quem é, ou não policial, a nocão de ética está se perdendo a ponto de fazer as pessoas ficarem desacreditadas dando um ponto a mais para as indústrias de armas.

  2. Lila disse:

    Acho que já falei aqui que vou votar não. E não por achar que perderei um direito constitucional até porque direito é o que o CIDADÃO brasileiro não tem mesmo falta acesso a saúde, moradia, educação e etc. E direito a ter arma quantos civis tem arma no Brasil (tirando os traficantes, bandidos… que continuaram com suas armas)? Se fosse mesmo resolver o problema até que votaria SIM e não me importaria de perder esse direito e se pelo menos a verdade fosse dita que o único problema que vai ser resolvido parcialmente é o de mortes por acidentes domiciliares e brigas banais, não estou dizendo que é pouco, mas isso vai gerar um gasto de 600 milhões e mobilizou tanta gente que agora não se fala mais da corrupção do governo, não se fala da situação da saúde, educação só se vê falar do tal referendo e isso me dá raiva. Pensemos em quantas vidas seriam salvas com esse dinheiro no nordeste e nas favelas do sudeste crianças morrem de desnutrição, falta educação, morrem por arma de fogo de traficantes e esse referendo não vai ajudar em nada.
    É isso. E eu nem sei se no domingo terei coragem mesmo de votar não porque as propagandas do sim buscam causar tanta confusão dizendo que quem vota no sim está votando a favor da vida, ou seja, se vc vota não está votando contra a vida…

  3. Lila disse:

    Só para finalizar talvez o certo mesmo seria anularmos o voto.

  4. Odette, Lucas e Arthur disse:

    Querido Ton,
    Hoje em meu trabalho surgiu esse assunto e eu radicalizei. Acho que tudo que ameaça a vida do ser humano deve ser proibido. Acho que além das armas e das drogas, deve ser proibido também o comércio de bebidas alcóolicas, que são drogas legalizadas e têm sido uma das principais causas de morte no trânsito. Aqui em Niterói, por exemplo, as estatísticas já mostram que nos últimos anos cresceu espantosamente o uso do álcool entre os adolescentes. Mas, de qualquer forma, seja qual for o resultado do referendo, uma coisa nisso tudo é muito positiva e proveitosa: a oportunidade que todos nós cidadãos brasileiros estamos tendo de refletir sobre essa questão da violência e do uso indevido de armas de fogo. Quem sabe não sairemos desse evento valorizando mais a vida, esse bem tão precioso que Deus nos deu, por amor…
    Um grande abraço,

  5. Tenho ouvido mta coisa sobre o desarmamento! E sinto, que as pessoas estão inseguras, indecisas e até amedrontadas! Infelizmente, trata-se do Brasil, um País, assolado pela miséria, sem educação, saúde e pão! Tomado pela corrupção, drogas e bandidos! Uma polícia desacreditada, desarmada e temida. Mtas pessoas sonham com o SIM, em um País justo, sem violência, sem armas!!
    Mas, ao acordar, o pesadelo do dia a dia, os fazem lembrar onde estão e o NÃO se agiganta. Só justificarei, ñ transferí ainda meu título!
    Peçamos a Deus proteção, sabedoria e guia!!!
    Um abraço, cidadão.

  6. Sempre que passo aquí para dar uma olhadinha apenas, termino parando e lendo textos bastante interessantes.Como sempre…termino fazendo algum comentário.Hoje não será diferente.A coluna do Orkut é muito interessante, pois reflete uma preocupação que já tenho há alguns dias.Queira ou não, existe uma certa invasão de privacidade.Seria bem mais interessante, se houvesse uma forma de “pelo menos” filtrarmos as pessoas que visitam nossa página. Ou seja,apenas as pessoas que já foram adicionadas como amigas, pudessem ter acesso a leitura de scraps, album, etc….Acho que dessa forma, talvez ajudasse um pouco a ter mais controle sobre nossos contatos…como também no caso das crianças, é realmente bom que os pais deem sempre uma espiadinha em sua rede de amigos visando ter uma maior se
    gurança.
    Um grande abraço!!


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado