Sobre o Dia do Deficiente Físico

Dia do Deficiente FisicoNeste mês de outubro foi comemorado o Dia do Deficiente Físico. Trata-se de uma data importante para 9 milhões de cidadãos brasileiros, suas famílias, amigos e a sociedade. Assim, no dia 11 de outubro, a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) alertou sobre a necessidade de prevenir doenças e acidentes causadores de paraplegia e tetraplegia e tem ressaltado também a importância da inclusão social. Especializada em tratamento e recuperação de pessoas portadoras de deficiência física há 55 anos, a AACD afirma que a prevenção pode contribuir para reduzir o percentual de brasileiros paraplégicos ou tetraplégicos. A prevenção tem duas vertentes: evitar acidentes (de automóveis, com armas, quedas e mergulhos) causadores de lesões traumáticas, e doenças que podem levar à deficiência, Quanto aos acidentes traumáticos, os dados são mais preocupantes. De acordo com pesquisa da Clínica de Lesão Medular da AACD, 73,4% dos deficientes tratados pela instituição adquiriram o problema por acidentes de carro, armas de fogo e queda. A AACD revela, ainda, que, deste universo, 43,5% de seus pacientes sofreram lesões em razão de acidentes por armas de fogo. Os dados estatísticos dos últimos três anos também mostram que 83,5% dos pacientes são do sexo masculino e 68,3% estão paraplégicos. De acordo com dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), há hoje, no Brasil, 24,6 milhões de pessoas portadoras de deficiências.

22 Responses so far.

  1. Marcia Kawabe disse:

    E eu espero que o Brasil ainda seja um país que se preocupa mais com os deficientes, sendo mais severo no que diz respeito a construção de casas de show que tenham acesso aos deficientes físicos, dentre outras coisas.

  2. Washington disse:

    Espero que as pesquisas com células-tronco, se desenvolvam com êxito, e sejam acessivéis aos nossos deficientes, tornando a esperança de cada um , numa realidade breve. Porque, são eficientes! Amigos! Solidários! Batalhadores! Guerreiros! Campeões!

  3. Esse comentário acima, é meu!!! É a minha esperança !!! Que compartilho com amigos amados, eficientes!!! Um abraço, Tom querido.

  4. tiago disse:

    gostei muito do vosso artigo e espero que continuem assim

  5. amarildo favaro disse:

    estou numa cadeira de rodas a 16 anos,fraturei a sexta vertebra c7-t1
    refiz minha vida,tenho tres filhos,estou casado a 14 anos,mas horge estou com saldade de andar,a esperança sempre esteve em meu coraçao,desisti de procurar medicos pois quando eu falava;doutor eu sinto um pouco minhas pernas,no quarto mes do ascidente eu mexi a perna,tenho certesa nao foi contraçao ,mas eles me olhavam,com um olhar desanimador como se ue estivesse louco,dai eu pensei se eu ficar esperando vou matar minha familia de desgosto ,e eu vou envelheçer sozinho sem minha propria familia,o tempo passou e escolhi esse site para esse desabafo me desculpa sei que voçeis ouvem isso todo dia mas fiquei um pouco aliviado,muitos paraplegicos nao andan porque tenhen que viver de uma maneira ou de outra, mas nao e facil a falta de recursos (dinheiro) deixam muitos que teriam uma chance de andar nesse pesadelo obrigado. Amarildo Favaro

  6. Herbert Quest disse:

    É isso aí. Devemos mostrar para todos que eles sõ igual a nós… Com necessidades diferentes mas não deixam de ser humanos!!!

  7. Herbert Quest disse:

    É isso aí. Devemos mostrar para todos que eles são igual a gente… Com necessidades diferentes mas não deixam de ser humanos!!!

  8. Mônica disse:

    Olá galera…. Gostaria de divulgar que a Hg Recursos humanos trabalha com programa de inclusão social de Pessoas com Deficiência.Os interessados podem encaminhar o currículo para o email:monica@hgrh.com.br ou entrar em contato pelo telefone 5543-7477 falar com Mônica, Daniela, Glória ou Vanessa

  9. Neiliane de Lima disse:

    Olá!
    Sou estudadante de Serviço Social e estou fazendo meu Trabalho de Conclusão de Curso com o tema: “Acidentes de Trânsito sob a ótica da saúde pública”. A partir dos sites da AACD, tomei conhecimento do significativo número de pessoas que possuem deficiência física causada por acidentes de trânsito. Quero parabenizar esta Instituição pelas diversas ações em prol dos portadores de deficiência física e as pessoas que mesmo com os limites impostos pela doença, continuam a viver e a lutar pelos seus direitos. Espero que eu possa contribuir com esta luta.
    Peço que por gentileza, me enviem dados estatísticos mais recentes sobre lesões por acidentes de trânsito, para que eu possa utilizar em minha pesquisa. Obrigada!

  10. suely Gorni disse:

    Ser deficiente físico, não e anomalia e um Ser igual aos outros com pequenas limitações.O deficiente físico não precisa de pena e sim de dignidade, de respeito.Não sou deficiente física mais convivo com minha mãe que tem limitações por causa de uma amputação, e sinto na pele o total falta de respeito da sociedade com relação ao portador de necessidades especiais, também o que esperar de um povo que estacionar seu carro na vaga para deficiente físico, que estaciona seus carros nas calçadas, nas lojas que não tem rampa, nos ônibus e melhor nem comentar,e nas zonas eleitorais de difícil acesso, eles querem excluir os deficientes e suas famílias do convívio em sociedade. Temos que acabar com o estigma que querem colocar nós colocar,não desisto chamais, saio com minha mãe apesar das ruas esburacadas, precisamos mostar que que nós e nosso parentes existem, nada de ficar trancados em casas, vamos a rua, exigir nossos direitos não como deficiente e sim como cidadães .

  11. caroline disse:

    oi tudo bem com vc ?

  12. Maze disse:

    Somos capazes, somos cidadão com direito de ir e vir, porém não somos iguais!

    Digo isto porque tive polio com 1 ano de idade, afetando minha perna direita, hoje tenho 46 anos, sou muito bem casada, tenho um filho lindo de 20 anos.

    Porém, estou aqui para dizer o quanto estou indignada com a nossa política e é por isto que inicio a frase que somos capazes, mas não iguais.

    Tramita no Congresso Nacional, através das PLC 252/2005 e PLP 277/2005, um benefício, para todos os portadores de deficiência, de se APOSENTADAR com redução de 3 , 5 ou 10 anos a menos que uma pessoa normal. Isto é mais do que justo. Sou deficiente, trabalho a 25 anos em uma empresa e sei que não vou conseguir chegar aos 60 anos de idade trabalhando como o governo quer, afinal temos muito mais desgaste físico, hoje estou acamada por um grave problema no joelho, como posso dizer que sou igual a uma pessoa que não tem deficiência? Não tenho preconceito, sou deficiente e quero meus direitos que estão na Constituição Federal, artigo 201, §1º. Precisamos mobilizar a sociedade desses direitos que o governo não está dando importância!

    Obrigada.

  13. Aelson Sabino disse:

    fiquei amplamente emocionado com as varias mensagens das pessoas,
    que são ou não portador de deficiência. Hoje meus mais novos amigos.

    Posso dizer hoje que eu sou um portador de deficiência…(física)
    E não me arrependo de abrir a boca pra escancará isto.

    Sei que nossos país estar querendo mudar sua personalidade de preconceito!
    Mas ainda existi muita gente preconceituosa que se acha no direito de passar por cima de nós. Por ter a certeza que somos deferente dele…

    É, nós somos mesmos!!! Somos normas perante a Deus.
    É isto que me mantém motivado com a vida.

    Esta próximo a vinda do Senhor jesus Cristo. Ele mudará nossas vidas…
    se lembra do COXO é este mesmo… então quem não anda voltará andar,
    não enxerga voltará a enxergar e assim por diante…

    Que a graça de Deus esteja perante vós… amém
    obg: pela oportunidade de colocar estas meras palavra a disposição dos leitores!
    E que Cristo Jesus nós ilumine com seu amor, esperança e paz nos nossos corações.

    valeu… sabbynolove_RN

  14. gostei de todos os comentários acima , inclusive da mazi, que é portadora da polio, também sou, aos 8 meses de idade, hoje, tenho 56 anos sou contador, tenho
    artrose nos dois pés e na coluna lombar, estou correndo com as documentações
    para se aposentar, faço tratamento no hosp.das clinicas em sp e Unifesp-hosp.são
    paulo, com o neurologista Dr. Acary, tratamento de uma nova doença velha,
    chamada “sindrome pos polio”no laboratorio da UNIFESP localizadoa á Rua Pedro de
    Toledo, 377 – est.do Metro Sta. Cruz-SP, o nosso sintoma é muita fatiga,dor muscular,
    intolerancia ao frio, dor muscular, muito cansaço,falta de sono etc.
    o site da associação Brasileira pos polio- Abraspp.
    o tratamento lá é especializado só para que teve Poliomielite após 15 anos.
    espero que ajudei milhares de pessoas que foram acometidos pela polio.
    abraços
    jose.
    SP,24/08/07

  15. Damires Scottá disse:

    gostaria de um dia nao ver mais portadores de deficiencia sofrendo por causa de pessoas inconcequentes que ainda praticam o preconceito neste mundo!!

    hoje estou fazendo um trabalho sobre isso, então resolvi deixar aqui meu depoimento sobre o que penso em relação este assunto….

    obrigado pelo espaço

  16. andre cardoso santos disse:

    sou deficiente por acidente de carro, estou lutando para mim recuperar,queria todo mundo fosse igual,dependendo de sua deficiencia ou nao,queria tambem quer nosso pais tivesse mais recursos para todos os portadores de deficiencia,mais qualificacao!…
    para que todos tivessem uma vida normal……

    03-02-2008

  17. andre cardoso santos disse:

    sou deficiente por acidente de carro, estou lutando para mim recuperar,queria todo mundo fosse igual,dependendo de sua deficiencia ou nao,queria tambem quer nosso pais tivesse mais recursos para todos os portadores de deficiencia,mais qualificacao!…
    para que todos tivessem uma vida normal……

    03-02-2008
    montes claros mg

  18. acioneide apolinário disse:

    Gostaria de parabenizar pelo site! Tenho um irmão que é deficiente físico desde os 8 meses de idade, acometido pela maldita pólio. Hoje ele tem 41 anos e o seu maior sonho é tentar viver melhor com isso, atravéz de tratamento com células tronco. Na verdade, creio que deve ser um sonho de muitas pessoas. Infelizmente no nosso país os deficientes não recebem o tratamento q deveriam receber como cidadão, pois os acessos a bancos, restaurantes, ruas etc. não os ajudam. O que é pior, ainda existe pessoas ignorantes que os tratam como coitados inúteis. Isso é horrível ! Que país é esse? Que pessoas são essas?

  19. Andressa disse:

    Olá. Meu nome é Andressa sou uma pessoa que não tem nenhum tipo de deficiência física, porém há 15 dias sofri uma queda e rompi os ligamentos do meu tornozelo.
    Sou professora, formada em Biologia, e trabalho em uma instituição que tem alguns alunos no processo de inclusão, já fiz por conta disso uma pós graduação sobre inclusão mas nada me comoveu mais em todo esse tempo, do que estar vivenciando a dificuldade de querer estar inclusa em uma sociedade..
    Olha que esse meu probleminha tem dia pra acabar, imagine os que não tem..
    Tenho observado os acessos em todos os locais que vou, mesmo com muita dificuldade, tenho saído de casa e preciso do auxílio de uma muleta para isso.. simplesmente na maioria dos lugares não existe acessibilidade.A proproção é de 10 para 1.
    Tem locais que vou onde uma pessoa de cadeira de rodas não entra, pois o acesso ao local é feito por escadas.. outros a rampa é tão inclinada que não permite o acesso, salvo do risco de tomar um belo tombo..
    Sem contar os acessos que são escondidos e a atenção e o constrangimento que uma pessoa com necessidades especiais causa no meio de outras pessoas “normais”.
    O objetivo de estar escrevendo esse desabafo, é justamente o de estar vivendo esse outro lado.. estamos no século XXI e com absoluta certeza afirmo que as pessoas com qualquer tipo de deficiência não tem a sua cidadania reconhecida, sequer respeitada.. pois acredito que poucos deficientes se propõem a se desgastar em todos os sentidos para lutar por sua cidadania.. dá vontade de ficar em casa, largada na cama e assistir tv.
    Pois é contra essa vontade que escrevo. Acho que a mobilização pró-adaptação, acessibilidade, inclusão.. deve, claro! Que partir da maioria. A justiça social deve previlegiar a todos.. e olha que começar dispondo de acessos para pessoas deficientes ir e vir é muito fácil..basta a iniciativa das prefeituras em aprovar e exigir projetos com essa característica.
    Estou falando de liberdade.. direito a liberdade..

  20. Raquel Pierini/ Raquel Schultz/Lillian Cardoso disse:

    Boa tarde, somos estudantes de inclusão social e cada depoimento que lemos e ouvimos nos deixa claro que o Brasil precisa melhorar e muito na questão da inclusão, ainda está em um processo vagaroso, mas percebemos que está evoluindo para isso. O deficiente passa por muitas atribulações, mas o importante é perceber que há possibilidades de vida com qualidade e alegria até nas dificuldades e nosso país está se apriomorando para isso. Nós queremos fazer a diferença. E vocês?
    Abraços a todos…
    Nós

  21. Angélica disse:

    Esse blog:http://diego-bigus.com/2011/07/13/dilma-trollando-menina-cega/#comment-2987
    Está postando um vídeo do youtube, onde Dilma (a presidenta…desculpe mas odeio ela)
    manda uma menina cega olhar para a câmera pra tirar foto.
    Muitos estão defendendo a Dilma e dizendo que ela não convive com deficientes, ou que eles não dão dinheiro a ela, também dizem que não foi humilhação, já que a menina não viu, etc.

    Acho que isso passa de humilhação é desumano e como eu disse no blog, a dona Dilma sabe se portar entre reis, rainhas, etc o que requer todo um conjunto, não só de linguagem, mas gestos, e outras coisas, no entanto a dona Dilma não faz isso errado e não os humilha.

    Os deficientes são tão sem importância assim pra ela, mas também para pessoas que tiram proveito disso para zombar.

    Não sei o que vão achar disso, só sei que por enquanto conservo minha humanidade e meu respeito não só pelos deficientes, mas por todos seres humanos!


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado