15 milh es de crian as ficaram  rf sO UNICEF, o Unaids, organizações não-governamentais, organismos bilaterais e celebridades lançaram na última semana de outubro, em Nova Iorque, a campanha mundial “Unidos com as crianças e os adolescentes. Unidos vamos vencer a Aids!” para chamar a atenção da comunidade internacional sobre como a epidemia do HIV/Aids tem ameaçado a infância de milhões de crianças em todo o mundo. Segundo o UNICEF, é ‘trágico’ o fato de que menos de 5% das crianças que vivem com o HIV recebam tratamento adequado quando os medicamentos estão disponíveis. Além disso, estima-se que 15 milhões de crianças ficaram órfãs por causa da epidemia e grande parte delas continua sem receber apoio e sem acesso a serviços públicos de saúde e educação, principalmente por causa da discriminação. De acordo com o UNICEF e o Unaids, a cada minuto: um menino ou uma menina morre de uma doença relacionada à Aids; uma criança é contaminada com o HIV; quatro adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos contraem o HIV. Koffi Anan, o secretário-geral da ONU afirmou que “depois de quase 15 anos de pandemia, a ajuda chega a menos de 10% das crianças afetadas pelo HIV/Aids, e muitos têm de crescer sozinhos, ou antes do tempo, ou nunca chegam a amadurecer para a vida adulta”. No último quarto de século, o HIV/Aids custou a vida de mais de 20 milhões de pessoas e reduziu pelo menos em 30 anos a esperança de vida nos países mais afetados. A verdade é que existe toda uma geração que sequer conheceu um mundo livre do HIV/Aids, mas a magnitude do problema faz com que a resposta até hoje seja insignificante.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado