Brigas de casais e ataques cardíacos

Brigas de casaisTenho aqui a notícia de um estudo bastante curioso. Foi realizado pela universidade americana de Utah e afirma que brigas de casal não resultam só em irritação e às vezes, lágrimas. Elas podem endurecer as artérias. O estudo aponta que o que leva ao espessamento e a obstrução das artérias é diferente em homens e mulheres. Nas mulheres, os problemas de circulação acontecem quando elas ou o parceiro demonstram hostilidade para com o outro. No homens, o problema é causado quando um dos dois quer controlar o outro. O estudo envolvendo 150 casais foi apresentado em uma conferência da Sociedade Americana Psicossomática e os casais foram pagos para participar. Pelo menos um dos parceiros do estudo tinha 60 anos ou mais e nenhum dos 300 participantes tinha problemas cardiovasculares. Cada casal foi convidado a escolher um assunto, como dinheiro, parentes, crianças, férias ou divisão de tarefas domésticas. Os comentários foram codificados por estudantes de psicologia como sendo amigáveis ou hostis, submissos ou dominadores. Por exemplo, comentários como “você pode ser tão bobo às vezes” ou “você é sempre tão negativa” foram classificados como hostis ou dominadores. Um exame para checar sinais de doenças do coração também foi realizado. Quando os resultados foram analisados, o estudo concluiu que as mulheres que fizeram os comentários mais hostis durante a discussão apresentaram os maiores níveis de calcificação – indicando a formação de placas nas artérias que obstruem a passagem do sangue para o coração. Voltaremos ao assunto.

One Response so far.

  1. SAM disse:

    O tema é interessante, Ton, e claro que eu não resisti a comentá-lo!

    Que a felicidade faça bem à saúde e a tristeza mal, todos sabemos. A grande questão é que como é que isso funciona no corpo e no casal…

    ‘Abdu’l-Bahá afirma que “se o sistema nervoso for paralisado (…) há necessidade de remédio espiritual”. E claro, quando se tem défice emocional existe maior possibilidade de surgirem problemas! É por isso necessário “conhecimento”, “resolução” e “ação”, diria o Mestre; um encontro do conhecimento que será alcançado “através do estudo e da pesquisa da verdade”.

    Assim, devemos buscar uma espécie de «cola emocional» que conserve o casal unido, evitando «sentimentos corrosivos» e «ações corrosivas» – como no exemplos que você tão bem dá: “você é sempre tão negativa”.

    Em situações menos próprias, Daniel Goleman aconselha os casais a interromperem as suas discussões e só depois reiniciarem-na. Desta forma, todos aqueles neurotransmissores tóxicos, que o nosso cérebro vai libertando, vão desvanecendo e nós podemos pensar com mais clareza. Uma espécie de “período de desconto” ou de “paciência” como chamariam os Escritos Bahá’ís.

    E neste período, quem sabe, “a tristeza” que “faz adoecer” pode ser curada, através do nosso esforço consciente, “por meios espirituais”, como disse ‘Abdu’l-Bahá em Londres no remoto Setembro de 1911.

    Um abraço, Ton.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado