Haverá um novo holocausto em andamento no Irã?

Holocausto no IraA Anistia Internacional, recentemente divulgou documento intitulado “Irã – Novo governo não trata da calamitosa situação dos direitos humanos.” O relatório especificamente menciona os bahá’ís na introdução, como também nos títulos de alguns parágrafos de um dos capítulos, devotando uma longa e detalhada seção à situação dos bahá’ís no Irã. Este relatório, portanto, trata da violação dos direitos humanos que ocorreram nos últimos dezoito meses e focaliza particularmente as ações tomadas pelas autoridades iranianas como resposta à enorme inquietação que ocorre entre as minorias étnicas do país, especialmente árabes e curdos; à contínua repressão às minorias religiosas, especialmente aos bahá’ís; e às constantes limitações que vêm sendo impostas à liberdade de expressão e de associação, com maior impacto particularmente sobre jornalistas e outros defensores dos direitos humanos. O relatório não tem a pretensão de ser completo, mas, sim de chamar a atenção para as enormes e notórias violações dos direitos humanos que estão ocorrendo no Irã em uma freqüência quase que diária. Enquanto isso a mídia internacional e mesmo nacional trata com amplo espaço a questão iraniana sobre o uso da energia nuclear. Quando haverá espaço para tratar da proteção de milhares de pessoas inocentes que são sacrificadas unicamente pelo fanatismo e a intolerância religiosa? A liberdade religiosa é uma questão de direito fundamental, algo que não pode sob nenhum critério ser tratado como algo secundário. E enquanto o mundo dorme, 350 mil bahá´ís têm suas vidas suspensas por um fio. Haverá um novo holocausto em andamento no Irã? Esta é a pergunta que não quer calar.

4 Responses so far.

  1. Renê Couto disse:

    Shoghi Effendi (Guardião da Fé Bahá’í) já antevia a mais de setenta anos chamando nossa atenção as palavras de Bahá’u’lláh, “Se a lâmpada da religião for obscurecida, caos e confusão advirão, e as luzes da retidão, da justiça, da tranqüilidade e da paz cessarão de brilhar.”
    Esse assunto não é algo que se possa ignorar! Não podemos esperar que vidas sejam sacrificadas ou que catástrofes sejam realizadas para perceber que “não há tempo a perder!!!”
    O palco está pronto! Agora é hora de levantarmos com toda determinação para defender (TODOS)os direitos humanos!

    Estamos juntos nessa Tom!
    Um abraço!

  2. Ivo Samel disse:

    Acho que se os EUA invadir o Irã teremos uma das mais sangrentas páginas da história do universo. Bush é louco, todo mundo sabe. Mas a sede de poder e de petróleo poderá levar a uma decisão perigosa. Milhares de jovens americanos morrerão dezenas de milhares de iranianos. Infelizmente a ONU não existe. Não tem qualquer força moral depois da invasão americana no Iraque.
    Ivo Samel

  3. SAM disse:

    350 mil bahá’ís no Irã… As notícias hoje são muitas e me perco com a sua variação numérica: 17? 20? 40? esse parece ser o número de jovens bahá’ís (jovens costumam ter entre 15 e 31 anos, o que torna o fato ainda mais ultrajantemente grave!) que foram presos ontem, no domingo algures nalgum país do mundo liderado por um pseudo-líder cujos atributos nem valem a pena serem mencionados!

    Há algum dado oficial que confirme as causas do acontecimento?
    Porque se continua o massacre, o genocídio cultural, a perseguição semfim?

    Você sabe de algo, Ton?

  4. 7 RAZÕES PARA O CUMPRIMENTO DAS PROFECIAS

    PEQUENA RETROSPECTIVA HISTÓRICA DOS CONFLITOS NO ORIENTE-MÉDIO

    1 – O CONFLITO ÁRABE-ISRAELENSE

    As feridas históricas entre os filhos de Jacó e os filhos de Ismael; ambos meio irmãos e pais do povo judeu e árabe respectivamente; nunca cicatrizaram. O ódio entre irmãos, depois de centenas de invasões, diásporas e guerras sangrentas, atravessou os séculos e chegou até nossos dias.
    Assim que Israel foi fundado como Estado independente em 1948, exércitos árabes atacaram o novo Estado judeu, que na época tinha apenas seis tanques da segunda guerra e um avião da primeira guerra e mesmo assim conseguiu deter a invasão. Mais tarde em 1967 estourou a chamada guerra dos seis dias, que quase detonou uma terceira guerra mundial, quando uma coalizão entre Egito, Síria e Jordânia atacou de surpresa pelo Norte, o Sul e o Leste, o Estado de Israel, com cem mil soldados. Israel escapou por milagre, quando os exércitos da, então, chamada RAU-República Árabe Unida – pararam no deserto para reabastecer e descansar, quando o exército de Israel contra-atacou provocando o recuo das forças árabes. Naquela época Israel ocupou o Golan, uma região montanhosa situada ao sul da Síria, antigamente chamada de Basã, então, usada como base de lançamento de mísseis contra Israel. O Golan já foi devolvido à Síria. Na mesma ocasião, Israel ocupou também a península do Sinai que já foi devolvida ao Egito. A Cisjordânia, também anexada na época por Israel, ainda continua ocupada e ao que parece não vai ser devolvida por questões de segurança, pois, é no território ocupado da Cisjordânia que está a cidade de Jerusalém – atual capital do Estado de Israel.
    Em 1973, houve uma nova tentativa de destruir Israel por parte das nações árabes na chamada guerra do Yon Kippur, no dia da expiação – um importante feriado judeu. Em 1982, cansado de ser ameaçado, Israel ordenou a primeira invasão e ocupação do Líbano, que anos mais tarde foi devolvido ao governo libanês.
    Todos os dias ouvimos falar nos tele-jornais, dos conflitos e atentados que não tem fim entre palestinos e israelenses, que todos sabemos aonde vai dar e com certeza não será em paz duradoura entre os dois povos irmãos, pois, todos sabemos que o centro da controvérsia e da disputa histórica entre árabes e judeus é a cidade santa de Jerusalém.

    2 – A OPERAÇÃO TEMPESTADE NO DESERTO

    Em Dezembro de 1990 o, então, presidente dos Estados Unidos George Bush (Pai) ordena o primeiro ataque ao Iraque de Saddam Hussein, que invadiu o Kwait com suas tropas. Saddam revida como pode e na saída do Kwait, mandou queimar poços e refinarias de petróleo.
    A chamada Guerra do Golfo que durou cerca de dois meses, mostrou ao vivo para o mundo inteiro pela primeira vez a guerra tecnológica como num verdadeiro War Game – (Jogos de Guerra). A guerra terminou devido às pressões internacionais e com o fracasso dos Estados Unidos na tentativa de derrubar o governo de Saddam Hussein. Em 1994 e 1998, os Estados Unidos lançam diversos bombardeios ao Iraque, em desrespeito por parte do governo daquele país as resoluções e sanções da ONU.

    3 – ISRAEL E OS PALESTINOS

    Em 2000; depois de o primeiro ministro israelense Ariel Sharom entrar desrespeitosamente na mesquita muçulmana de Al Aqza, teve início a mais sangrenta rebelião palestina contra Israel – a chamada Entfada – que detonou Jerusalém e os territórios ocupados. Israel reagiu violentamente aos ataques e tudo se acalmou com a promessa de um Estado Palestino em 2005, com a intermediação dos Estados Unidos, o que foi chamado pelos americanos de Mapa do Caminho.

    4 – O 11 DE SETEMBRO

    Em 11 de Setembro de 2001 Nova York desperta com o primeiro ataque real ao território dos Estados Unidos. Terroristas árabes, liderados pelo mega-terrorista saudita Osama Bin Laden, seqüestram 4 aviões de 2 companhias aéreas norte-americanas.
    2 desses aviões atingem as duas torres gêmeas do World Trade Center que cerca de 10 minutos depois desabam ainda em chamas aos olhos do mundo todo que assiste ao vivo a superpotência norte-americana ser humilhada em seu próprio território. O terceiro avião atinge o Pentágono que é parcialmente destruído e o quarto avião; cujo alvo supõe-se era a Casa Branca; é abatido no ar e cai na Pensilvânia.
    Mais de 3 mil pessoas morrem na maior tragédia americana da história. O então, presidente norte-americano George W. Bush (filho) declara guerra ao terrorismo internacional e ordena o ataque ao Afeganistão derrubando o governo Taliban daquele país, desmantelando o quartel general da rede Al Qaeda, a organização terrorista de Osama Bin Laden, cujo governo afegão apoiava e acobertava.
    Osama Bin Laden nunca foi encontrado pelas forças especiais americanas.
    Os atentados aos Estados Unidos tem seu fundamento na questão palestina, entre árabes e judeus.

    5 – A OCUPACÃO DO IRAQUE

    Em março de 2003 com o apoio unilateral da Grã-Bretanha, Bush (filho) ordena a invasão do Iraque que sem resistência capitulou. Saddam Hussein foge e em 2004 é capturado para ser julgado no próprio Iraque.
    Hoje, o Iraque, ainda ocupado pelas forças americanas e aliadas virou terra de ninguém e está praticamente dividido em dois grupos que em meio a brutais atentados ameaçam mergulhar o país numa sangrenta guerra civil entre as facções xiitas (apoiadas pelo governo fundamentalista do Irã) e os sunitas (que ganharam a primeira eleição iraquiana após a ocupação).
    O território iraquiano está fora de controle, mas, encontra-se ainda (em 2007) ocupado pelas forças americanas e pelas forças de paz da ONU.
    Saddam Hussein foi condenado a forca em dezembro de 2006, pela uso de armas químicas – proibidas pela convenção de Genebra, que causaram a morte de centenas de curdos no norte do Iraque. Antes de ser executado Saddam Hussein afirmou que Jerusalém é dos árabes.
    Com o caos instaurado e se a guerra civil eclodir, o Iraque será dividido em dois.

    6 – ISRAEL E O LÍBANO

    Em 2006; após a prisão e morte de um soldado israelense por parte do grupo terrorrista Hezbolah, estabelecido no sul do território libanês; Israel ordena ataques maciços contra o Líbano, atacando com mísseis, bombardeios, navios e tanques, destruindo toda a infraestrutura do já destruído Líbano.

    7 – O IRÃ E A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL

    Daniel capítulo 11:

    “Ora, no fim do tempo, o rei do sul lutará com ele; e o rei
    do norte virá como turbilhão contra ele, com carros e
    cavaleiros, e com muitos navios; e entrará nos países, e os
    inundará, e passará para adiante.
    Entrará na terra gloriosa, e dezenas de milhares cairão;
    mas da sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e as
    primícias dos filhos de Amom.
    E estenderá a sua mão contra os países; e a terra do
    Egito não escapará.
    Apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata, e de
    todas as coisas preciosas do Egito; os líbios e os etíopes o
    seguirão.
    Mas os rumores do oriente e do norte o espantarão; e
    ele sairá com grande furor, para destruir e extirpar a muitos.
    E armará as tendas do seu palácio entre o mar grande
    e o glorioso monte santo; contudo virá ao seu fim, e não
    haverá quem o socorra.”

    O caos instalado e generalizado no Iraque e a não observância de Israel em dar aos Palestinos um Estado independente em 2005 – como estava previsto nas conversações de paz chamada pelos Estados Unidos de “Mapa do Caminho”- levará a uma guerra civil que provocará uma nova invasão vinda do Irã que lutará com o governo sunita apoiado pelos xiitas iraquianos. As potências ocidentais tentarão intervir, mas, a guerra se alastrará fazendo com que a face oriental do Iraque, localizada a leste do rio Eufrates, seja ocupada pelas forças Iranianas e xiitas.
    O atual governo do Irã está desenvolvendo mísseis, aviões de combate e um programa nuclear próprios e não vai parar de se armar, mesmo com as crescentes ameaças de sanções econômicas e de um provável ataque militar por parte dos Estados Unidos.
    Ao longo dos 3 anos e meio finais , o Irã se armará, reunirá forças e aliados e atravessará o grande rio Eufrates para atacar as forças aliadas estacionadas no lado ocidental iraquiano.
    O profeta Daniel revela no capítulo 11 de seu livro que, Persas (iranianos e afegãos), Líbios e Etíopes, atacarão Israel, Jerusalém e o Egito, mas, recuarão devido às ameaças do norte (dos Estados Unidos e da Rússia) e do Oriente (da China).

    *UM EVENTUAL ATAQUE DOS ESTADOS UNIDOS AO IRÃ, PODE A LONGO PRAZO DETONAR A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL!

    *JÁ ESTÁ NA HORA DA HUMANIDADE SABER A VERDADE SOBRE AS PROFECIAS E O FUTURO DO MUNDO!

    O PROFETA MUNDIAL

    PÁGINA NA INTERNET:

    http://OPROFETAMUNDIAL.GOOGLEPAGES.COM (SEM O WWW)


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado