Thomas está em Haifa

Desde a última semana estou acompanhando os noticiários na televisão com especial atenção. Começo a arregalar os olhos quando na escalada das matérias vejo o apresentador dizer palavras como Haifa, Hisbolláh, Beirute, Israel. É que nosso filho Thomas, 20 anos, está em Haifa desde janeiro deste ano. Como sempre, sabemos como as crises envolvendo bombas e homens-bombas, mísseis e anti-mísseis, começam. Mas não temos tanta certeza quanto ao seu fim. Ou seja, o balanço de uma guerra é geralmente retratado pelo número de vítimas. Quanto a isso, já temos uma preliminar. O saldo da agressão de ambos os lados é bastante desalentador: mais de 250 mortos –25 deles do lado israelense (12 civis e 13 soldados)– e cerca de 700 feridos, divididos em partes quase iguais. A atual crise teve início com o seqüestro de dois soldados israelenses, além da morte de outros oito militares, em uma ação levada a cabo pelo grupo terrorista Hizbollah, no último dia 12. Desde então, o governo de Israel tem realizado ininterruptos ataques por ar, terra e mar, principalmente contra o sul do Líbano, onde o Hizbollah se concentra. Mas, somente agora me dou conta do estranho sentimento de impotência dos civis que vivem em um outro lado da fronteira. A dor humana é a mesma, as perdas sempre são irreparáveis, a angústia do que está por vir se abate sobre todos como um estranho manto.

Thomas fez já três ligações telefônicas nos últimos quatro dias. Em uma delas, dizia à sua mãe, todo animado (como é displicente a juventude!): “Mãe, aqui está tudo bem, estou em um abrigo anti-bombas, não precisam, portanto, se preocupar comigo!” Em outro contato, passadas 24 horas, a animação pueril dos 20 anos lhe fazia começar um telefonema com estas palavras: “Mãe, as janelas do meu apartamento foram estraçalhadas, mas está tudo bem, não tem com o que se preocupar!” Pausa. O que pode os pais pensar sobre a segurança de seu filho, quando ele afirma, assim sem mais nem menos, que está seguro em um abrigo antimísseis? Certamente que não era o que nossos ouvidos gostariam de ouvir e, muito menos poder imaginar: vidraças inteiras sendo rompidas pela madrugada afora, causadas pelo impacto que vem do céu? “Thomas, como está a vida aí, como você está se sentindo?” A resposta é imediata: “Apenas as sirenes tocando sem parar, dia e noite.” “Você escuta algo durante a noite?” “Não… porque estou dormindo.” Pausa de novo. E pensar que, quando informei a um amigo aqui do Senado que meu filho iria residir um ano em Israel, ele me perguntou no estilo bate-pronto: “Deve ser um filho muito trabalhoso, hein?” Ao que repliquei: “Ao contrário, é um filho nota dez, em todos os sentidos…” E a tréplica: “Mas se é um filho tão bom, porque você iria enviá-lo logo para a Faixa de Gaza?” Sorri. Porque é fato que sempre pensamos que Israel e Faixa de Gaza são a mesma coisa e que um envolve totalmente o outro e vice-versa! O que não é, absolutamente, verdade. Mas é verdade também que Haifa, esta “jóia exuberante e oculta de Israel” começa a deixar na boca um gosto amargo de Faixa de Gaza.

Estou convencido que no fim tudo dará certo e se não deu ainda, é porque ainda não estamos no fim. Sei que sobre Thomas há um céu que nos protege. E que este seu contato com a violência – por indireto que seja – logo serão apenas recordações do ano em que viveu em Haifa. Recordações tênues ante o volume imenso de boas memórias que incluem suas visitas ao Shrine do Báb, de suas divagações em caminhadas tranqüilas pelos jardins sempre em flor de Bahji, das muitas peladas que jogou com jovens de dezenas de outros países. Ontem, antes de subir para meu quarto, passei no quarto do Thomas, vi sua raquete de tênis e os livros de Mario Puzo. Folheei seus livros de Direito (Thomas está no 4o. período de Direito no Uniceub, de Brasília), observei seu teclado junto ao computador com as letras semi-apagadas e fiz uma oração do íntimo de meu coração: “Há quem remova as dificuldades a não ser Deus? Dize: louvado seja Deus, Ele é Deus, todos são seus servos e todos aquiescem ao Seu mandamento.”

E dormi o sono dos justos. Thomas esta em Haifa2 01

18 Responses so far.

  1. O Thomas sabe que o Pais vão benefficiar das boas acções dos filhos, conforme diz o Mestre.
    Também eu vivi ano e meio em Haifa e Akka e estou muito feliz com essa minha decisão.
    Por alguma razão a Casa Universal de Justiça convidou-o.
    Mas que Mãe é Mãe e Pai é Pai, lá isso é verdade.

  2. Fabio C. de Lima Gois disse:

    Dei uma voltinha pelo seu blog agora, dei uma escutadinha nas crônicas de Clarice (cujo CD já conheço de cabo a rabo), e senti falta da Confraria. Não se preocupe, amigo, Deus selecionou os melhores anjos para cuidar do grande Thomas. Em breve, um abraço dele te fará lembrar dessas palavras. Que Deus o proteja e opere um milagre no Oriente Médio. Para Ele nada é impossível.

    Abraço! Mande notícias…

    p.s.: e o Don Durica?…

  3. Carlos Moreira disse:

    Estamos todos sensibilizados com a situação de conflito que se estabeleceu naquela região sagrada. Ao ler sobre o Thomas fiz orações para que Deus possa iluminar e proteger aquela região tão sagrada e palco de tantas disputas. Enquanto tantos mandam seus filhos para lutar em guerras, você encaminhou o seu para servir à humanidade…

    Abraço

  4. Ana Guaranys disse:

    Meu querido Tom,
    Como vc é grande. Há um tempo atras torci o pé e fiquei no gesso 15 dias. Encontrei um amigo, jornalista e ele me perguntou como tinha acontecido e eu disse: tropecei no vento. Ele escreveu no meu gesso: “Só a Aninha pra tropeçar no vento, driblar a dor e fazer poesia”. Mas vc vai muiiiiiiito além. Só Deus sabe a dor/angustia que sentem (vc e minha querida irma ceres) ao saber que o filhao está numa zona de tanto risco. Mas vc consegue fazer poesia da dor e., com isso, nos passa uma confiança na vida e em Deus tão grandes que o resto vira bobagem. Que Deus te ilumine (e por extensão à querida família e, especialmente ao Thomas) sempre e para sempre. Bjo na alma. Ana

  5. Shideh Granfar disse:

    Que Deus traga apenas alento e confiança em seu coração!! Chorei ao caminhar os olhos sobre suas palavras..e chorei ao terminar!! Shideh

  6. Osmar Mendes disse:

    Tom,
    Que filhão, heim. Devia atuar como correspondente de guerra, diante da fleugma com que está passando o que está passando e pelo estilo jornalístico confiante
    que demonstra. Oramos pela segurança dele, e também do filho de Jorge e de todos os amigos lá residentes. Há de se resolver, com segurança de nossos Lugares
    Sagrados e dos sagrados servidores que lá estão trabalhando. Pelo menos, com minhas sinceras e renovadas orações, você pode contar. Osmar

  7. Washington disse:

    Paizinho querido,
    O Thominhas certamente estar tranquilo pois sabe que enquanto estiver trabalhando pela humanidade, pela Fé Bahá’i, tudo correrá da melhor forma possível!
    Orações são sempre bem vindas, ao Thomas, aos Bahá’is de Haifa e não se pode deixar de lado os palestinos, judeus, todos são filhos de um só Deus!
    ‘’A terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos.’’
    Te
    amo
    Jordana

  8. Ana Nélo disse:

    Prezado Tom,

    Como é bom ser jovem, não tememos, não temos as crises existenciais de um adulto, que certamente jamais iria a “Israel ou aos bombardeios” isto faz parte do paradigma de mundo da humanidade. Ainda não estamos livres dos paradigmas do milênio passado, se um filho sai de casa ou se manda para Um Lugar como Israel é castigo.

    Se fosse para Disney, com certeza não serias sequer questionado. A pergunta que te fizeram, fez-me lembrar o antigo tempo de Internato. Sempre perguntavam se erámos muito peralta para que meus pais nos mandasse tão cedo para o Internato. Nunca perguntaram sobre a educação que recebíamos lá

    Eu acredito em Deus, e assim acredito simplesmente que ele estar nas mão de Bahá’u’lláh. O destino dele e o nosso 50% são nossas ações, outros 50% não controlamos estamos nas mão de Deus. Estou para retornar a São Paulo por curto intervalo de tempo … Será que “São Paulo” não oferece mais perigo do Israel?

    Que a LUZ que brilhou no oriente, ilunime Thomás e outros inocentes. Este é o único desejo que tenho.

    Engraçado, vendo jornal de meio dia e coisa rara e, apesar de todo o tulmuto que nos é transmitido, eu senti vontade mesmo foi de Estar em Haifa. De preferência servindo a nossa amada causa…. Quiçá um dia eu terei chances como a do Thomás. No momento sinto que estou cumprindo uma missão difícil em São Luís. Mas, se Deus permitir realizarei outros projetos de vida que fazem parte de uma seqüência de outras seqüências do programa da minha vida.
    Com saudações Bahá’ís
    Ana

  9. Renê Couto disse:

    É meu amigo, todos nós estamos acompanhando atentamente os noticiários. Conversei com Ivan Guerreiro, e ele disse estar tranqüilo. Todos os jovens servos de Bahá, estão protegidos em abrigos ante bombas e fazendo suas suplicas, para que Deus de um fim nesta grande violência onde as “estrelas” que mais aparecem na TV são as inocentes vitimas da guerra. Incrível a tranqüilidade de Ivan. Meu primeiro contato para saber como ele estava, foi pelo orkut, e como se nada tivesse acontecendo, ele diz, “Que bom que voltou no Orkut! Nos protegemos bastante aqui! Eai Beleza?”. Hehe, só mesmo estando em terras tão abençoadas para saber o que passa no coração desses jovens! Alexandre Beust, recém chegado em Haifa diz, “Apesar de tudo, o lugar onde estou trabalhando é extremamente seguro (neste exato momento, estou escrevendo de um abrigo ante bombas). Logo-logo estarei postando algumas fotos na internet, para que você possa ver a beleza destes lugares!…” ”…Por favor, me mandem noticias!!”. Hehe, o “cachorrinho” do Alexandre que está em zona de perigo, tenho eu a obrigação de mandar notícias, né? (POR FAVOR). Acredito estar claro! Só mesmo estando neste lugar abençoado, onde meus grandes amigos Thomas, Ivan, Alexandre e Anis, estão para sentir tamanha tranqüilidade, em tempos que acabam nos tornando acostumados com sirenes escandalosas, que nos fazem lembrar a dor.
    Lembro quando você Tom, escreveu o artigo, “Thomas”, contando a despedida de Thomas para Terra Santa. Disse você, que reuniu sua família e fizeram “9, nem mais nem menos que 9 pequenas súplicas”. Em todas a conclusão era,“… e todos aquiescem ao Seu mandamento.”
    Gostaria então de acompanhá-lo com está poderosa oração, em nome dos jovens ano de serviço de todo o mundo:
    “Há quem remova as dificuldades a não ser Deus? Dize: louvado seja Deus, Ele é Deus, todos são seus servos e todos aquiescem ao Seu mandamento.”
    {O Báb – A Porta}

  10. Elaheh disse:

    Meu querido Tom,
    Antes da Revolução Islâmica se estabelecer no Irã nós, naquela época bem jovens, vivemos um ano e meio debaixo de fogo aberto dos soldados e dos revolucionários islâmicos, a qualquer momento era uma bala perdida a passar bem ao nosso lado, mesmo assim a gente se sentia uma tranquilidade que aqui num país livre e em paz não sinto.
    Mais tarde de longe acompanhei durante mais que sete anos a angustia e preocupação pela minha família que estava debaixo dos bombardeamentos iraquianos a Teerã e vocês sabem que ainda até hoje pelas perseguições.
    Sou preocupada profissional!
    Sei o que vocês estão se sentindo mas Deus vai proteger.
    Meus queridos Tom e Ceres, Deus abençoo vocês e com muita fé e certeza continuará a abençoar.
    Recebi hoje no ABEN:
    “Juro por Minha vida! Nada pode sobrevir aos Meus amados, salvo aquilo que lhes traga proveito.”
    A Ana Nélo tem razão eu também senti uma vontade enorme de estar lá!
    Oramos pela proteção do vosso Thomás pelas todas outras pessoas que estão lá.
    “Há quem remova as dificuldades a não ser Deus? Dize: louvado seja Deus, Ele é Deus, todos são seus servos e todos aquiescem ao Seu mandamento.”

  11. Dad disse:

    Como todos os jovens, não tem medo e confia!

    Eu estou apreensiva todos os dias e cheia de medo!

    Espero que os povos algum dia se entendam e tenham compaixão uns dos outros e que se pratique a verdadeira harmonia que conduzirá à paz!

    Faço votos que tudo de bom aconteça ao vosso filho e que o Thomas chegue a casa fortalecido na experiência humana que está a atravessar!

    Um grande abração para os pais!

  12. Carlos Michiles disse:

    Washington, querido amigo.
    Teus textos são sempre agradáveis. Ler tuas palavras mesmo referindo-se a um momento tão agudo de apreensão a vida de um filho como o Thomas (chorei pensando em minha filha de nome hebraico Hanna) nos causa emoção e arranca a mais profunda solidariedade humana. Ler as palvras de Jordana então é demais: a terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos. Tenho certeza que Thomas está tranquilo porque sabe a proteção divina que tem emanado dessa bela família que você e Ceres tem sabido educar com a sabedoria dos salmos e para este momento o 42 e 92.
    Abraço cheio de carinho de seu amigo e irmão,

  13. keyla e Vinicius disse:

    Queridos Tom e Ceres,

    Primeira vez que mando noticas, mas Vinicius está sempre dando noticias do seu blog. Nao pude deixar de lembrar da minha estadia em NY e da aflição de meus pais. Estava lá, dentro do subway, a um ponto do World Trade Center, quando tudo aconteceu. Fazia curso de ingles bem pertinho dali e o WTC era o meu ponto final. Tentei ligar para familia, mas estavamos sem telefone e internet. No fim do tarde, me espantei com um homem na minha porta procurando por mim. Para minha surpresa, o homem era brasileiro, trabalhava na embratel, e estava ali, me procurando, querendo saber noticias para mandar para meus pais. Não acreditei, que eles tinham colocado uma pessoa para me procurar em NY. Hoje conto a história fazendo piada, mas posso imaginar o que vcs estão passando por ai.
    Um beijo grande pra vocês. Estamos todos fazendo orações.

  14. Milena disse:

    Querido Tom,
    Hoje pela manha encontrei seu querido filho quando ele passava pelo escritorio em que trabalho (a vontade de servir de todos nos é muito maior do que o medo de bombas) e ele me contou que voce havia escrito sobre a situacao aqui de Haifa. Fiquei muito emocionada ao ler seu texto. Emocionada ao perceber que o sentimento que minha mae expressa a cada conversa nossa (temos nos falado TODOS os dias) é o mesmo de todos aqueles pais que, mesmo assustados, entendem o poder dessa Causa e nos apoiam na decisao de continuarmos aqui. Como pais creio que sempre havera a preocupacao com a seguranca dos filhos, mas ao mesmo tempo para nos que estamos aqui em Israel servindo a Casa Universal de Justica e vivendo essa realidade é complicado nao deixar de fazer comentarios simples como os usado por Thomas (os mesmo que eu uso quando falo com a minha mae) para mostrar que estamos bem. Na verdade, acredito que a confianca que temos no poder de protecao dos Santuarios Sagrados, na infabilidade das decisoes tomadas pela Casa Universal de Justica é muito maior do que qualquer outro sentimento que possa surgir ao ouvirmos sirenes ou quando nos deslocamos para bomb-shelters. Ainda, acreditamos piamente que o trabalho que estamos realizando no Cemtro Mundial vai influenciar imediatamente na construcao de uma Nova Ordem Mundial, que estara tomando lugar da “desordem” que vemos no mundo atualmente. Estamos vivenciando um monento unico e fico muito feliz ao saber que somos participantes ativos na construcao da historia dessa nova sociedade. Nada alegra mais o meu coracao nesse momento do que a expressao de gratidao da Casa Universal de Justica por continuarmos o nosso trabalho nesse momento de turbulencia. Nao posso deixar de aproveitar o momento para dizer: “Sim, estamos todos bem, protegidos e felizes por podermos continuar aqui!” Tenha certeza de que nossas oracoes teem sido dedicadas para o final dessa guerra, para que Deus nos proteja e tambem aos Lugares Sagrados e para os nossos pais, para que eles continuem, assim como nos, confiantes e com coracoes aliviados. Por favor, diga Oi para a minha mae.. e garanta a ela que estou bem e que a amo muito! 🙂
    Com muito amor,
    De mais um dos muitos filhos servindo no BWC que adoram comentarios displicentes,
    Milena

  15. Pois é Tom…
    A preocupação é comunitaria… eu mesmo tenho outros dois amigos lah: Pedro Anis (que deve ter ido junto com Thomas) e o Xandão Beust que chegou há duas semanas…
    Toda hora entro no e-mail pra ver se tem alguma notícia ou aproveitar se estão online pra falar rapidinho…
    O que eles dizem eh o mesmo: que estão tranquilos, num abrigo anti-bombas, que têm que ficar longe da janela, que as sirenes tocam dia e noite mas que ta todo mundo de cabeça fria e funcionando, da um ruim pensar que é meio longe demais pra sair correndo e ir lá junto.
    Realmente as almas que ali estão com certeza refletem a luz do céu e espantarão as trevas que os cercam…

  16. Lanna Wullcássia disse:

    Tom, meu caro,
    Tranquilize o coração, refresque o espírito! Nosso pololoso está na Montanha de Deus. Está seguro. Nossas orações, chegam, são ouvidas e confirmadas por Ele, O Forte, O Mais Poderoso. Td dará certo. Abraços em toda a galera ae, força e fé. Te amamos.

  17. Marcia Kawabe disse:

    Vou ficar torcendo pra que tudo continue tranquilo, na medida do possivel, no lugar onde se encontra o Tomas 🙂

    Abraços

  18. José Carlos e Maria Fernanda disse:

    Que DEUS proteja todos os nossos Irmãos e Irmãs Baha’is que estão servindo nesses Lindos Lugares Sagrados, é o desejo de nossos corações.
    Nossas orações estão com eles, e connosco, e com toda a humanidade e com todos aqueles que estão sofrendo, em Israel, no Libano, em todo este louco mundo.
    Todo o nosso Amor para vós
    J. Carlos e M. Fernanda


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado