Competi  o toma cada vez mais espa o que coopera  oOs programas na televisão estão cheios deles. São as tais ginkanas, a competição, a adrenalina a mil. Competição toma cada vez mais espaço que cooperação. É difícil encontrar na telinha um programa que privilegie a cooperação. Os jogos cooperativos parecem relegados a um último plano. Parece que não aumenta a audiência. Mas, será que já tentaram? Como saber se a paz é boa se a história está mais recheada de guerras e conflitos? Vencer ou vencer parece permear tudo, a vida educacional, a profissional, e até as opções de lazer. Todos querem ganhar. Mas, todos estarão amadurecidos para viverem 24 horas de competição acirrada? Ser o primeiro da turma, ser o mais inteligente, tirar as melhores notas, ser o funcionário da semana. Compartilho informação colhida pela Folha de São Paulo que ouviu especialistas e estes foram unânimes ao afirmar que a competição não deve ser introduzida antes dos 11 anos de idade. A gerente de esportes e lutas da Cia Athletica, em São Paulo, Anna Rozov, disse que “não há maturidade emocional para lidar com a idéia de primeiro, segundo e último colocados”. Para essa faixa etária, a academia realiza festivais desportivos em que todos os participantes são premiados. Já Luís Otávio Moscatello, que desenvolve programas para crianças., “a solicitação por resultados de pais e professores gera sobrecarga e leva muitos a abandonar a atividade física até os 15 anos. Fica aqui este alerta aos pais e educadores.

One Response so far.

  1. Elcyd disse:

    Oi, amigo
    O que vou escrever não tem nada a ver com o post, mas como não tenho outro caminho mais rápido para chegar a você vou arriscar a minha sorte aqui. É uma ideia que surgiu durante um estudo que a gente está fazendo e gostaria de saber a sua opinião se considera a afirmativa “faz parte da natureza dos jovens ceder às pressões de seus pares” falsa ou verdadeira e por quê?
    Fico aguardando e obrigada.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado