Processos que caminham lado a ladoUma leitora de Nova Iguaçu, Rio, me envia mensagem perguntando o que penso do cenário internacional, menci0na o aumento de conflitos armados em vários países, principalmente do Oriente, e também, sobre a quase silenciosa corrida nuclear que parece estar se esboçando. É, realmente, tenho vez por outra tratado desse tema que diz respeito ao nosso futuro enquanto espécie humana. Entendo que existem dois processos atualmente em marcha. Um é de desintegração e outro de unificação. O primeiro é marcado pelas guerras, pela miséria e pela fome, pelo descaso com a saúde e a segurança públicas e outraz tristes realidades. O segundo, faz menos estardalhaço. É que traz à luz iniciativas de governos e de organismos não-governamentais visando o aumento de inclusão social, a diminuição da mortalidade infantil, o acesso irrestrito à educação. Mas são processos que caminham lado a lado. Mas, para termos uma visão mais promissora do futuro teríamos que ver questões de fundo, como a tolerância e o respeito aos diversos modos de pensar, maior compreensão de nosso papel na construção do novo mundo que desejamos. Aliás, devemos procurar ter o mundo que sonhamos ver. E isso passa pelas milhares de iniciativas individuais buscando fortalecer os mecanismos da justiça e aumentar o sentimento de solidariedade entre povos, raças e credos. Voltarei ao tema oportunamente.

2 Responses so far.

  1. SAM disse:

    Caríssimo,

    O texto parece articulado com a hodiernidade e com os acontecimentos que sempre penetraram o imo da nossa espécie humana. Mas a questão que te coloco, coloco a qualquer pessoa que leia o meu humilde comentário, e a qualquer amigo que me cruzar o caminho: “Até quando estes dois processos irão caminhar como dois siameses? Quando é que a integração passará a ser a força motriz que nos move e a desintegração a pequena força de atrito com pouca importância e peso?”

    Abraço amigo.

  2. João disse:

    Caro

    É difícil falar sobre estas coisas, mas, muito mais difícil é conseguirmos um grau de compreensão próximo do que tentamos transmitir, sobretudo em vista do encarceramento das nossas consciências individuais, nas mais diversas formas de culturas nos mais diversos contextos históricos e sociais, em formas particularizadas e individualizadas. Sendo que, ainda temos de ressaltar, que cada um de nós, seres humanos desse planeta, somos únicos, mágicos, ou seja, a imponderabilidade de nossos espíritos e a impossibilidade de colocar limites definitivos em nossa imaginação. Além disso, a intersubjetividade encontrada nas diversas formas de comunicação, sempre deixa esse resíduo de uma compreensão individual, e não uma compreensão coletiva e válida para todos no processo de comunicação.
    Filósofos analíticos das linguagens, lingüistas, semiologistas, psicanalistas, neurocientistas, psicólogos sociais e outros cientistas de áreas afins, têm buscado incansavelmente uma forma de linguagem unificadora dos diversos meios sociais. Mas não conseguiram ainda um modelo que satisfaça à todas as estruturas neurolinguísticas moldadas nos diversos contextos históricos e sociais.
    com os monumentais trabalhos de:- Cassirer-“A filosofia das formas simbólicas” e ” Ensaio sobre o homem” – C.L. Strauss- “Antropologia estrutural” e F. Saussure e C.S. Pierce – “Semiótica”, e ainda, Lacan – “A releitura do aparelho da linguagem Freudiano”, e alguns outros trabalhos de grande relevo de renomados cientistas, a comunidade científica ganhou renovadas esperanças de uma unificação das linguagens através da semiótica imersa numa visão contemporânea do estruturalismo. Parece que a psique formada por construções simbólicas(Cassirer e Lacan), poderá através do seu exaustivo mapeamento, ser codificada pela semiótica que estuda todos os signos lingüísticos de todas as áreas da cultura humana, os mitos, as artes, as religiões, as ciências e a filosofia.
    Mas, infelizmente, este projeto ainda está longe do seu desfecho. Sendo assim, e enfim respondendo a pergunta do Sam, ufa, nem acredito, considero que isso ocorrerá no momento psicológico adequado para toda a humanidade. Como nós homens somos divididos, temos um mundo dividido. Os sucessivos processos de integração e desintegração levarão grandes massas humanas a um processo de autoconhecimento da sua estrutura interna, isso ao longo dos próximos séculos e milênios, e o homem terá uma percepção da vida em suas diversas nuances, completamente diferente e muito próxima dos seus fundamentos, e assim, uma ordem social totalmente nova será instaurada. Cordiais saudações


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado