Natal e compra de presentes: sinônimos?

Natal e compra de presentesAproxima-se o fim do ano. Toda uma série de eventos costumeiros voltará se realizar. São as listas de presentes, a organização do Amigo Oculto nas empresas ou mesmo entre as famílias, as caixinhas para o carteiro, o zelador, o padeiro, o flanelinha e por aí vai. Fim de ano traz sempre esse clima de festa e de novidade. A cidade monta decoração especial. Símbolos como a árvore de Natal, figuras como Papai Noel passam a enfeitar os shoppings e as lojas comerciais em geral. Até os bancos se vestem com motivos natalinos. Quanto mais ricos os proprietários mais inovadores os efeitos visuais destinados a marcar em nossa retina o sentimento de que estamos próximos do Natal. Já faz muito tempo que Natal e compra de presentes são sinônimos. Até aí nada de mais. Mas, é lamentável quando o espírito de natal é muito mais simbolizado pelo consumo em si que pela data evocada, o nascimento de Cristo, em Belém, há dois mil anos. Em um país tão marcado pelas desigualdades sociais, o maior presente que poderíamos dar, uns aos outros, seria o sentimento sincero da solidariedade, a exemplificação de virtudes tão esquecidas quanto ao bom costume de perdoar a quem nos ofende, ou a bondade que é inerente a todos nós, mas que sempre termina com a expressão de belas palavras. A lição escrita em Belém, há vinte séculos continua valendo. Não prescreveu. É não é outra: “amai-vos uns aos outros…”


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado