90 milhões de mulheres a menos na Ásia

90 milh es de mulheres a menos na Asia 

Nesta semana em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher, no último 8, repercuto a denúncia de que a Ásia tem 90 milhões a menos de mulheres. É um número que conta o drama silencioso das desigualdades entre homens e mulheres na China. Em 2006, se deixarmos de lado as crianças acometidas de patologias, cerca de 98% das crianças chinesas disponíveis para adoção e apresentadas pela organização Médicos do Mundo eram meninas. A pediatra Geneviève André-Trevennec, que dirige a missão pela adoção desta entidade, a maior empreitada francesa desta natureza, diz que “na maioria dos casos, elas são abandonadas nos dias que se seguem ao nascimento”, pois “com a política do filho único, que é aplicada com rigor nas cidades, os pais não querem mais ter uma filha porque são os rapazes que transmitem o nome e que se encarregam de sustentar seus pais quando estes envelhecem.” A China não é o único país a ser atingido por esta preferência marcante em favor dos meninos. A Índia, o Paquistão e Bangladesh também seguem o mesmo caminho. Em razão dos abortos seletivos, dos infanticidas e da carência de cuidados para com as meninas, segundo ela faltariam, é bom repetir, nada menos que  90 milhões de mulheres na Ásia. Voltaremos ao assunto.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado