Em muitos países ser mulher é um fardo…

Fardo ewm alguns paises 

Recebo uma carta de Ivanise Rodrigues, de Cabo Frio. Ela me pergunta sobre o porquê da discriminação da mulher ao longo do tempo. O que penso disso, etc etc Bem, vamos lá, Cara Ivanise, a discriminação da mulher vem de tempos muito antigos, quando a força bruta significava poder. Um exemplo são os exércitos do Império Romano, os dos considerados bárbaros e até meados do século XX, na modernidade, que eram formados essencialmente por homens. Os preconceitos contra as mulheres também vêm de longe. Alguns países orientais ainda hoje praticam o infanticídio feminino. Ou seja, o nascimento de uma menina em uma família era visto como azar, agouro e muitas vezes os pais se encarregavam de abandoná-la. Durante muito tempo às mulheres foi negado o direito de votar para escolher os governantes de sua cidade, do seu estado e do seu país, sendo esta uma conquista das mulheres há pouco mais de cem anos. O acesso a cargos públicos e mesmo ao ensino universitário durante longos séculos foi privilégio dos homens. Mas, graças à luta das mulheres em todo o mundo por direitos iguais, isso vem mudando. Começa-se a perceber que a humanidade pode ser vista como um pássaro onde uma asa é o homem e a outra asa a mulher. E um pássaro não pode voar sem o equilíbrio das duas asas. Hoje as mulheres são maioria em diversos cursos de nível superior e ocupam cargos públicos dos mais relevantes, como por exemplo, quase duas dezenas de mulheres são presidentes de seus países. No Brasil, uma mulher é a presidente da Suprema Corte, o STF e temos dentre os 81 senadores da República, 10 mulheres. O mesmo tanto de mulheres ocupa a chefia de vários ministérios. Mas, o preconceito e a descriminação, infelizmente persistem. Principalmente quanto à remuneração no mercado de trabalho: muitas mulheres ganham menos que os homens desempenhando a mesma jornada de trabalho e executando os mesmos serviços. Voltaremos ao assunto.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado