Decidindo não mais chegar a SP por Congonhas

 

congonhas2 1A cada dia novas revelações sobre o acidente do avião da TAM em Congonhas. Agora, o que era falado como sigiloso estampa a escalada de notícias dos telejornais e a cada noite sabemos mais alguns trechos das últimas conversas entre os pilotos e também entre os pilotos e a torre de controle. Descubro, ainda perplexo, que pousar em Congonhas sempre foi um risco e tanto. A pista é pequena e não oferece um plano B caso a aeronave não consiga parar. Foi o que aconteceu com o Airbus A320 da TAM, no mês passado. Não havia qualquer alternativa e nesses casos nascem as tragédias que interrompem centenas de vidas. A queda-de-braço agora é ver quem teve culpa, ou melhor, de quem seria a maior parte da culpa pela morte de 354 pessoas. Há os que falam das condições da pista recém-reformada, que não teria recebido os tais groovings, as ranhuras para facilitar a parada do avião. Há os que falam de erros mecânicos do avião. E a história para que não se repita tem que ser longamente explicada ao longo das semanas e próximos meses. De minha parte, não comprarei passagens aéreas para a capital paulista com pouso em Congonhas. Isso está na minha alçada fazer, mais que os argumentos presidência da TAM, da ANAC ou da Infraero.

 


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado