Contrastes e intolerância religiosa no Irã

Iran e suas contradicoesA Fé bahá’í tem como um de seus postulados básicos a importância da educação para o desenvolvimento material, social, e espiritual da humanidade. Não somente a comunidade bahá’í tem-se distinguido por seu elevado padrão educacional, como também tem historicamente promovido avanços educacionais para a sociedade em geral. Na primeira metade do século vinte, por exemplo, os bahá’ís mantinham cerca de 50 escolas progressivas e de alto nível no Irã. 

Em 1979, quando foi estabelecida a República Islâmica do Irã, os estudantes bahá’ís começam a ser expulsos das universidades. No transcurso dessas duas décadas, precisamente em 1991, vem ao conhecimento público o Memorando Golpaygani. Este documento oficial do governo iraniano afirma de forma enfática que os bahá’ís do Irã deverão ser tratados de forma que “seu progresso e desenvolvimentos sejam bloqueados”. As orientações incluem a expulsão dos bahá’ís das universidades, seja durante o processo de admissão ou no andamento de seus estudos. 

Ao mesmo tempo, os bahá’ís buscam organizar suas próprias instituições educacionais de ensino superior, firmando convênios com universidades estrangeiras para que seus jovens possam continuar seus estudos, mas, há o reverso da medalha: as autoridades iranianas fazem de tudo para impedir que tais esforços alcancem sucesso: invadem casas em que as aulas se realizam, apreendem materiais, ameaçam instrutores e alunos. Qual seria a justificativa? Não foi apresentado nada plausível, ficando dmeonstrado que a negação à educação está baseada inteiramente em discriminação religiosa e também o fato preocupante de que estas mesmas autoridades deixam claro que os bahá’ís podem ingressar em faculdades e universidade desde que reneguem sua fé, declarando-se muçulmanos. 

Algumas mudanças ocorreram em 2004. Naquele ano os jovens bahá’ís em idade universitária receberam em suas casas materiais das universidades que os convidavam a participar dos exames vestibulares nacionais. Mas há um detalhe que faz toda a diferença: as fichas de registro, que desde a Revolução continham um campo de identificação religiosa dos candidatos, agora pediam apenas a seleção de um campo de estudos religiosos nos temas Islã, Judaísmo, Cristianismo ou Zoroastrismo. A opção de um estudante professar a religião bahá´í foi obliterada dos formulários. Mesmo assim, cerca de 800 bahá’ís fizeram os exames, obtendo excelentes notas.
Ainda assim, o resultado não foi mais que um duro golpe nas esperança desses jovens. Quando foram divulgados os resultados dos exames em agosto de 2004, porém, os bahá’ís perceberam que haviam sido falsamente registrados como muçulmanos – em novo esforço governamental de enganar os bahá’ís e forçá-los a renegarem sua religião. Todos os bahá’ís se recusaram a levar esta farsa adiante e, em conseqüência, mais uma vez não puderam registrar-se na universidade. Com o objetivo de conter a opinião pública internacional, as autoridades iranianas disseram que iriam corrigir as informações dentro de prazo para que pudessem efetuar seus registros – mas isso não foi feito e… mais uma vez os estudantes bahá’ís não puderam registrar-se na universidade. 

No período letivo de 2006/2007, devido à grande indignação internacional e ao grande volume de publicidade em torno da questão, novas promessas foram feitas de que os bahá’ís poderiam ingressar nas universidades. Uma vez mais, pelo menos 270 jovens foram aprovados e efetivaram suas matrículas, sem que sua identidade religiosa fosse solicitada. Uma nova ação governamental em meados de julho de 2007 resultou em que cerca de 128 destes jovens fossem expulsos com base em sua identificação religiosa. Mas, na maioria dos casos, nenhuma informação oficial lhes foi fornecida acerca dos motivos que levaram à sua expulsão. 

E quanto aos próximos anos? O horizonte vem carregado de ameaças. As fichas de inscrição para os exames de seleção para cursos vocacionais e técnicos referentes ao período 2008/2009 contém três opções de identificação religiosa dos candidatos, além dos que professam o Islã, são elas, o cristianismo, o judaísmo e o zoroastrianismo. Uma vez mais os seguidores da Fé Bahá´í, a maior minoria religiosa do Irã foi excluída. E uma observação no formulário determinava que “aqueles que não optarem por nenhuma dessas religiões serão automaticamente identificados como muçulmanos.” E mais recentemente, atos oficiais do governo iraniano reafirmavam a mesma ação tomada pela Organização de Avaliação Educacional, que declarou como “incompletos” – e portanto inválidos – os pedidos de cerca de 800 bahá’ís que fizeram o exame nacional para o ingresso no ano acadêmico de 2007/2008.  

            Não há como negar para qualquer observador imparcial que existe um contraste gritante entre a nobreza da história islâmica e a ação do governo atual em impedir a juventude acesso à educação superior. E surgem algumas perguntas que por sio mesmas, se recusam a ficar sem respostas. Por exemplo: Como explicar aos povos do mundo, especialmente à juventude, que tais atos possam estar sendo perpetrados em uma nação que afirma adesão aos princípios islâmicos? O que dizer do valor da educação, defendido em séculos passados por esses princípios, os quais estimularam o estabelecimento de famosos centros educacionais e produziram em sua nação mentes brilhantes que, ao fazer avançar o conhecimento, deram permanentes contribuições às artes e às ciências? Como pode um Ministério, cuja finalidade é promover o aprendizado, negar a cidadãos direito à educação em seu próprio país? Que repercussões hão de haver para a nação, quando pessoas de cultura e eminentes instituições no exterior, em total desalento, vêem como inconcebível o fato de um Ministério, cuja finalidade é promover o aprendizado, emitir tais diretrizes que levam a negar a cidadãos de seu próprio país o direito à educação? Qual a justificativa moral de tais decisões?  Existe respeito pelos compromissos internacionais assumidos pelo Irã? Os responsáveis têm consciência do que seja temor a Deus? O que poderiam dizer, possivelmente, os responsáveis, quanto à justificativa moral de tais decisões? Seria razoável supor, efetivamente, que elas tenham algum respeito pelos compromissos internacionais assumidos pelo Irã quanto à justiça e a eqüidade, ou que, em verdade, tenham qualquer consciência do que significa temor a Deus?  

            Como pano de fundo não custa nada destacar que o “direito à educação” está incluído em convênios internacionais – incluindo a Declaração Universal de Direitos Humanos, da qual o Irã é signatário. E a situação no Irã representa talvez o único caso em que o direito à educação está sendo intencionalmente negado a todo um grupo  de pessoas.

  Mais informações:  http://www.bahai.org.br/portasfechadas 

 


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado