BRASÍLIA, 18 de dezembro — Foi aprovada na 11° Conferência Nacional dos Direitos Humanos, realizada em Brasília entre 15 e 18 de novembro, uma moção em favor dos Bahá’ís no Irã, que repudia a perseguição sistemática que a comunidade bahá’í vem sofrendo por parte do estado iraniano.

 

 A aprovação desta moção significa o reconhecimento dos movimentos nacionais de direitos humanos de que a política externa brasileira precisa se posicionar frente à violação dos direitos humanos que ocorrem em outros países, como no caso do Irã. Este posicionamento do Brasil passa a ser ainda mais importante no atual contexto de aproximação científico-cultural entre os dois países.

 

 A moção repudia especialmente a prisão dos sete lideres que coordenavam as atividades da comunidade de 300.000 bahá’ís no país, e dos três jovens de Shiraz, que realizavam atividades voluntárias e humanitárias. Os sete líderes foram presos em maio passado sem uma justificativa legal. Em 1980, todos os nove líderes da comunidade bahá’í do Irã também foram presos e se presume que mortos, já que nunca mais se escutou falar neles. Um ano depois, quando a liderança foi reconstituída, oito dos novos nove membros foram presos e mortos.

 

 A Conferência contou com a presença de 1.500 pessoas representando o Estado e a sociedade civil. O Presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva participou do evento no primeiro dia junto ao Ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, e do Presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia. A Comunidade Bahá’í do Brasil foi representada por Mary Caetana Aune, que atualmente faz parte da Coordenação do Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos.

 

 Sete eixos temáticos foram debatidos por grupos de trabalho durante os segundo e terceiro dias da conferência, incluindo entre outros os temas “Universalizar direitos em um contexto de desigualdades”, “Desenvolvimento e Direitos Humanos”, e “Educação e Cultura em Direitos Humanos”, sendo este último facilitado pela representante da Comunidade Bahá’í do Brasil. Os grupos de trabalho votaram o texto base oriundo das discussões definindo assim as diretrizes para o novo programa nacional de direitos humanos.

 

 Foram distribuídos cerca de 1.000 exemplares do  boletim de assunto externos – edição especial  sobre a perseguição aos bahá’ís no Irã.  


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado