Jornalismo Insano x Jornalismo Cidadão

Não é de hoje que me pergunto sobre o jornalismo enquanto ideal de vida. Ora, existem milhares de ofícios humanos, milhares de profissões. Exercer a cidadania pressupõe a existência da mesma, portanto, nem sempre factível a qualquer um. Mas é que existem situações em que a ética deve vir antes, algo como um pre-requisito. Penso então no fazer-jornalístico. Os jornais, sejam impressos ou não, e também não importa qual a ferramenta em que está sendo disponibilizado, terminam por fazer eco uns aos outros. A mesma manchete e a mesma história repercutem como plantação de cogumelos. Já não nos identificamos com esta ou aquela linha editorial porque tudo passou a ser sinalizado pela mesmice.

Se o assunto do dia é um crime e, ainda mais, um crime hediondo, desses em que a filha de 13 anos mata o pai e a mãe enquanto dormem, e, ainda, se para tal horrendo feito contou com a cumplicidade de seus coleguinha de parcos 8 ou 9 anos de idade… então, não precisamos ser muito espertos para sabermos que o assunto será divulgado até nos dar náusea por pelo menos duas ou três semanas seguintes. Essa divulgação fará parte do que chamo de “jornalismo insano”: uns repercutem os outros, uns querem a primazia da descoberta mais inesperada e temperada, preferencialmente, com as cores fortes da escandalização da violência urbana.

Todo o arsenal de criatividade, estilos e formatos jornalísticos serão colocados a serviço da mais rápida difusão da notícia. Todos os assuntos serão colocados na geladeira da comodidade, aqueles temas que rendem poucos leitores serão relegados por obrigação do ofício ao arquivo redondo: descoberta de vacinas, políticas públicas que rendem mais que publicidade, iniciativas louváveis de indivíduos e de instituições para elevar a qualidade de vida da sociedade e por aí vai.

O jornalismo insano assemelha-se a  uma praga de gafanhotos: ataca a mesma plantação, e no mesmo momento. Os fatos são pisoteados da mesma forma que as folhas são destruídas quase que instantaneamente. A nuvem que se forma ante os sempre desavisados receptores das notícias (leitores, ouvintes, espectadores e internautas) espessa o suficiente para bloquear qualquer ínfima passagem de ar puro. Ocorre que não há espaço para outro assunto. Todo esforço maior para continuar repercutindo o hediondo e o macabro. Quando não houver qualquer outro fato novo sobre a tragédia… então começam os comentários de especialistas de direito ou de especialistas criados pela mídia, geralmente nomes de bom conceito na sociedade: juristas, pensadores, escritores, políticos, militantes de direitos humanos, educadores, sociólogos.

Algum antídoto para esse tipo de jornalismo? Sim. A prática de um jornalismo cidadão. E aí temos amplo espaço para refletir sobre o que se encaixaria nessa categoria. Mas, com certeza, seria um jornalismo comprometido com a boa prática jornalística. E também com uma visão mais abrangente do mundo e de seus sinais. Apreço por iniciativas que elevem a qualidade de vida da população. Defesa das populações vulneráveis. Espaço para a proteção do meio-ambiente e para o progresso científico. Jornalismo cidadão tem muito a ver com a promoção dos direitos fundamentais da pessoa humana. 

——————-

COMENTÁRIOS

Pedro  Junqueira , Porto Alegre-RS – Educador
Enviado em 17/12/2008 às 12:19:24 AM
Excelente texto, oportuna reflexão. Parabéns ao OI por levantar com esta lúcida abordagem uma questão de vida e morte para o ofício de informar. Alunos meus estarão recebendo cópia do artigo. Abs. PJ

One Response so far.

  1. Caro Washington, o jornalismo insano vai continuar existindo enquanto houver jornalista insano e espectador insano, que são seres humanos insanos. Por isso, vai ter vida longa. Infelizmente. E concordo com você, a solução é o jornalismo cidadão. Forte abraço.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado