Leia mais… que a vida mesmo não passa na tv!

Mais de meio século depois da televisão constatamos a poderosa força de atração de corações e mentes que o veículo possui. Se antes a leitura fazia parte de nossa higiene mental diária hoje tudo se faz diante da TV. Com isso passamos pelo mundo como observadores contumazes de notícias no formato vídeo-clip.  Na falta de imagens de ação os artistas da animação gráfica são chamados a supri-la. Atrofiamos, por assim dizer, nosso poder de análise, nosso senso crítico, nosso contato regular com os fundadores de nosso idioma pátrio. Neste ano em que celebrou-se o centenário de morte de Machado de Assis torna-se urgente perguntar como seria a produção literária do bruxo do Cosme Velho se na época já existisse a televisão. Teria sido ele um roteirista de novela, de mini-séries, de filmes? Os personagens já seriam criados tendo em vista o veículo que lhe daria vazão e publicidade? Saberíamos então como seria a Capitu e o jeito muito específico de se ter olhos de cigana, de ressaca, e tudo isso, visto pelo olhar do próprio autor. Mas mesmo que tal idéia possa parecer tentadora, pelo menos a uma primeira vista, o fato que teríamos perdido a conexão maior com o idioma que usamos para balbuciar nossas primeiríssimas palavras. Penso que foi muito bom que o advento da televisão somente vingasse lá pela metade do século XX. Isso permitiu que grandes talentos surgissem e pudessem embalar boa quantidade de gerações nascidas e ainda as não-nascidas.


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado