Atual ontem, atualíssimo hoje. É o texto do documento A Promessa da Paz Mundial”, emitido pela Casa Universal de Justiça em 1985. Resgato esses parágrafos:

“Os ventos de desespero”, escreveu Bahá’u’lláh,”sopram de todas as direções, e a contenda que divide e aflige a raça humana aumenta dia a dia. Os sinais de caos e convulsões iminentes podem agora ser discernidos, na medida em que, lastimavelmente, a ordem predominante demonstra ser defeituosa”. Este juízo profético tem sido amplamente corroborado pela experiência comum da humanidade. Os defeitos existentes na ordem prevalecente estão patentes na incapacidade manifestada pelos Estados soberanos, organizados nas Nações Unidas, em exorcizar o espectro da guerra, a ameaça de um colapso da ordem econômica internacional, o alastramento da anarquia e do terrorismo, e o sofrimento intenso que estas e outras aflições estão causando a um número crescente de seres humanos. De fato, as agressões e os conflitos têm de tal maneira caracterizado os nossos sistemas sociais, econômicos e religiosos, que muitos já se entregaram à noção de que tal comportamento é intrínseco à natureza humana e, conseqüentemente, é inextirpável. Com a consolidação desse ponto de vista, assistimos ao desenvolvimento de uma contradição paralisante nos afazeres humanos. Por um lado, as pessoas de todas as nações proclamam não só o seu anseio de paz e harmonia, mas também a sua disposição de estabelecê-las e de por termo às apreensões devastadoras que atormentam as suas vidas diárias. Por outro lado, concede-se aceitação indiscriminada à noção de que os seres humanos são incorrigivelmente egoístas e agressivos, e, portanto, incapazes de erigir um sistema social simultaneamente progressivo e pacífico, dinâmico e harmonioso – um sistema que dê liberdade à iniciativa e à criatividade individuais, mas baseadas na cooperação e na reciprocidade.  À medida que a necessidade de paz se afigura mais urgente, esta contradição fundamental, que impede a sua concretização, exige uma reavaliação das suposições em que se fundamenta a conclusão comumente aceita quanto à triste condição histórica da humanidade. Quando examinadas com imparcialidade, as provas existentes revelam que tal conduta, longe de expressar a verdadeira essência do homem, representa na verdade uma distorção do espírito humano. A aceitação desta conclusão permitirá a todos os povos mobilizar forças sociais construtivas, que, por serem congruentes com a natureza humana, encorajarão a harmonia e a cooperação em vez da guerra e do conflito. A escolha de tal curso não implica a negação do passado da humanidade, mas sim a sua compreensão. A Fé Bahá’í encara a atual confusão que reina no mundo e o estado calamitoso em que se encontram os afazeres humanos como uma fase natural num processo orgânico que conduzirá, final e irresistivelmente, à unificação do gênero humano sob uma ordem social única, cujos únicos limites serão os do planeta. A humanidade, vista como um todo distinto e orgânico, passou por estágios evolucionários análogos aos estágios de infância e adolescência que ocorrem nas vidas dos seus membros individuais. E, agora, está atravessando o período culminante em que a sua adolescência turbulenta se abeira da tão longamente aguardada maioridade. 

O texto completo – http://www.bahai.org.br/virtual


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado