rio olimpiada boa 11 Ele conquistou autosuficiência em petróleo, passou a ser emprestador do Fundo Monetário Internacional. Ele descobriu que dispõe de imensas reservas de petróleo na camada do pré-sal, em uma faixa de não desprezíveis 800 quilômetros entre os Estados do Espírito Santo e Santa Catarina. Ele trouxe 20 milhões de pessoas da miséria para a pobreza e 18 milhões de pobres subiram à classe média. Ele será palco do maior evento futebolístico do mundo – a Copa do Mundo de 2014. E, de quebra, em 2016 já foi escolhido para sediar as primeiras Olimpíadas da América Latina. Na maior crise econômica mundial pós-1929 ele encarou os desafios de frente, esnobou a velha ordem econômica esclerosada, e em vertiginosa queda, com a alcunha de “marolinha” e foi o primeiro país a retomar o crescimento econômico. De celebrada 10ª potência econômica mundial já vem sendo anunciado, em previsão de peso-pesado do Banco Mundial, que em 2016… será a 5ª maior economia do mundo. Em meio a barulhentos vizinhos que movem mundos, fundos, alteram Constituições tudo em esforço concertado para se perpetuar no poder, ele continua dando mostras de que a alternância democrática é o que melhor condiz com sua história e melhor será para seu futuro.

Ele é o Brasil. Aquele sempre cantado em verso e prosa como o Brasil-brasileiro e o gigante deitado eternamente em berço esplêndido. Assisti inteiramente concentrado na transmissão (por sinal muito boa) da Rede Record de Televisão, minuto a minuto, a cerimônia em Copenhague para a escolha por parte do Comitê Olímpico Internacional (COI) do país-sede das Olimpíadas de 2016. Assisti o nome do Rio de Janeiro ser anunciado e a algazarra (palavra com cheiro de naftalina mas muito oportuna) no salão. Depois fui conferir a maneira como o mundo se curvava ao Brasil: Barack Obama diz que “vitória do Brasil (para sediar Olimpíadas) é histórica”. A rede CNN destacou que “o Rio desbancou Chicago, Madri e Tóquio”, o New York Times não deixou por menos e em seu site na internet destaca a escolha da cidade como a primeira da América do Sul a sediar uma edição das Olimpíadas. O principal jornal espanhol El País abriu longa manchete em seu site: ´Madri ficou a um passo do sonho. O esforço diplomático dos últimos dias não deu frutos e o Rio se impôs na última curva´. O francês ‘Le Monde’ dava a escolha do Rio como notícia principal e não deixava de alfinetar seus vizinhos: ‘Os brasileiros comemoram, os espanhóis lamentam’, dizia um título.espanhóis lamentam’, dizia um título. Até o principal dipário esportivo dos hermanos, o argentino Olé, não se conteve: ´Se festeja en Río, duele en Madrid, decepción en Chicago (Obama inclusive), y quién sabe qué se dice en Tokyo…´ O Clarín deixou claro desde os últimos dias que a Argentina era espanhola desde sempre e passamos a acreditar que a Argentina compartilha fronteiras com o Brasil por mera ironia geográfica. Não causou mesmo espanto ver que a nossa Cidade Maravilhosa (e agora Olímpica) ganhar de Chicago, Madri e Tókio só podia mesmo doer no âmago da alma portenha. Coisas da vida. Fazer o quê?

Mas não sei o que acontece com nossa imprensa. Na hora de mostrar otimismo fica indiferente. As manchetes dos jornais de maior circulação do país apenas o Jornal do Brasil levou à manchete o assunto das Olimpíadas. Publicou o carioca: ‘Rio 2016. É hoje!’ O Globo, a Folha e o Estadão trataram mesmo foi do Enem e os dois diários paulistas, qual dupla sertaneja, elevaram ao altar principal as mesmas palavras: ´PF investiga vazamento´. Temos que convir que a depender do entusiasmo de nosso jornalismo auriverde o maior evento esportivo do planeta em 2016 poderia se dar em terras madrilenhas, na Gotham City norte-americana ou na terra do Sol Nascente. Tudo, menos na ensolarada Rio de Janeiro , cidade que melhor vende a imagem do Brasil mas que freqüenta o noticiário nativo quase que unicamente através da cobertura de chacinas nos morros cariocas, nas incursões da polícia militar quando não de efetivos do Exército para reprimir o narcotráfico ou quando nos informam do extermínio de meninos (e meninas) de rua. Repassando as manchetes dos sete principais jornais brasileiros de hoje (2/10/2009) observamos com certo desalento que seis se ocupam com o vazamento de provas do Enem e apenas um, o de menor circulação e carioca ainda por cima, resolve dar um refresco e dá um voto de confiança ao evento de maior potencial midiático passível de ocorrer em nosso país. É que temos especialistas no Brasil que não dá certo e pouquíssimo traquejo para com o Brasil que pode dar certo. E não me venham com a ladainha de que não temos boas notícias para apurar, assuntos interessantes para repercutir. Basta reler o primeiro parágrafo acima.

Que mais esperamos de bom para elevar nossa autoestima e de quebra passar uma boa imagem do Brasil? Bem, falta ainda termos um brasileiro pisando em solo lunar. E também médico Miguel Nicolellis ganhar o Nobel de Medicina, Lygia Fagundes Telles trazer para o Brasil o Nobel de Literatura. E um filme brasileiro ganhar o Oscar de melhor filme. Pode até ser na categoria melhor filme estrangeiro. O Brasil poderia também ganhar assento no Conselho de Segurança da ONU, mas ainda é pouco para satisfazer nossas expectativas. É como se nossa imprensa visse o Brasil sempre com viés de baixa (para usar um linguajar típico do noticiário econômico).

Poderíamos começar a trabalhar para termos uma imprensa pautada pela ética e pela duradoura defesa dos direitos humanos. Uma imprensa que saiba distinguir opinião pública de opinião publicada, interesse público de interesse privado. E, quem sabe?, na medida em que formos transpondo as águas do rio São Francisco no nordeste brasileiro poderíamos começar a transpor para a educação brasileira, em todos os níveis, do elementar ao superior, essa coisa chamada qualidade. De qualquer forma nada disso impede que festejemos um pouco nossas conquistas. Sonhos que foram de passadas gerações de brasileiros. Hoje não é dia de recolhimento. É de celebração. E não é todo dia que a terra descoberta por Cabral pode assistir a um placar assim:

Rio, 66 votos. Madri, 32. Goleada!

Fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=558IMQ001

COMENTÁRIOS

Gonzaga Patriota , Recife-PE – Filosofia

Enviado em 6/10/2009 às 2:38:07 PM\

Luva de pelica foi usada a cada tacada e jorro de texto. Concordo com suas posições, não estamos acostumados a ver o Brasil brilhar. Nos interessa mesmo é o ostracismo das coxias, o submundo do que dá errado sempre. Gostei dessa coisa de transpor qualidade para a educação assim como se começa a transpor as águas do rio São Francisco. Também estou feliz de ser brasileiro e viver nos dias atuais onde o medo de ser feliz ficou coisa do passado. Hoje o medo de ser feliz está refugiado nas redações dos telejornais e das rveistas Época e Veja. Que fique por lá e parem de azucrinar a vida da gente. Não merecemos a mídia que temos. Ninguém merece a mídia deo B que temos. Congratulo-me com o senhor.

 

YASMIM  UCHÔA , Belém-PA – Estudante de Comunicação

Enviado em 6/10/2009 às 2:37:55 PM

Maravilhosa observação,até hoje tento entender essa lógica da midia brasileira de que o que é ruim vende e o que é bom não. Será que o uma população deixaria de assistir aos telejornais se pelo menos algumas vezes eles dissem Bom dia e realmente noticiacem um bom dia?Será que o mesmo não aconteceria com os impressos? O povo vive uma realidade cheia de coisas boas e ruins e a midia continua achando que somos todos sempre desgraçados pq não temos tudo. Se nossa impressa enxergasse isso quem sabe ganharimos um premio Nobel ou um Oscar de povo mais esperançosso e feliz do mundo. O brasileiro vivi tantas coisas ruins com um sorriso no rosto que merece sorri com coisas boas, com o crescimento do seu país, com o dinheirinho do fim do mês que ta dando pra um “luxo” a mais. Porém nem sempre ele fica sabendo que isso acontece pq nosso meios de comunicação estão mais preocupados em “inventar” crise da moda…VAMOS MUDAR essa visão minha gente!Estamos crescendo e nos desenvolvendo, o país incapacitado do passado está deixando de existir vamos mostrar isso ao mundo e principalmente ao nosso país!!

 

Angelo Frizzo , Bento Gonçalves-RS – Desempregado

Enviado em 6/10/2009 às 2:37:49 PM

A principio não há nada de novo com nossa “mídia”. Não por nada são chamados de PIG (partido da imprensa golpista). Estão somente cumprindo o seu papel de defender “interesses” bem conhecidos. Não deviamos esperar que ficasses felizes com uma vitória destas, que trará investimentos, empregos, qualidade de vida e mais educação aos Brasileiros. ELES lutam para continuar com sua OPINIÃO PUBLICADA”. MAS NÃO VAMOS DESISTIR, VAMOS TODOS CONTINUAR A CAMINHADA RUMO A DEMOCRACIA E A FELICIDADE DO NOSSO POVO.

 

Dante Matiossi Filho , Ctba-PR – Juiz

Enviado em 6/10/2009 às 2:30:57 PM

Repassando, repassando, repassando. Artigo show de bola, medalha de ouro em 2009. Os urubus da informação direcionada ainda vão ter tempo para dizer que “Falta ainda termos um brasileiro pisando em solo lunar. E também o médico Miguel Nicolellis ganhar o Nobel de Medicina, Lygia Fagundes Telles trazer para o Brasil o Nobel de Literatura.” Mas no fundo é uma torcida de muitos anos para que o Brasil sinta vergonha de sua história, de seu passado e medo de seu presente. Essa do astronauta brasileiro PISANDO NA LUA foi uma sacação muito boa.

 

Luís Oliveira , BH-MG – Técnico

Enviado em 6/10/2009 às 2:30:11 PM

Estou a algum tempo imaginando os motivos que levam a grande imprensa a apostar na falta de inteligência dos seus leitores e telespectadores. Quais os motivos dessa imprensa jogar toda sua credibilidade em falsas informações (ex.: ficha dilma, ditabranda), jogando por terra a pouca credibilidade que ainda restava. Qual será o retorno dessa imprensa, que justifica apostar todas as fichas na ingenuidade do nosso povo….

 

Lerguino Pinto , SPO-SP – Roteirista

Enviado em 6/10/2009 às 2:24:05 PM

Foi de lascar: “Repassando as manchetes dos sete principais jornais brasileiros de sexta-feira (2/10), observamos com certo desalento que seis se ocupam do vazamento de provas do Enem e apenas um, o de menor circulação – e carioca ainda por cima – resolve dar um refresco e dá um voto de confiança ao evento de maior potencial midiático passível de ocorrer em nosso país.” Isso mostra a míopia de nossa grande imprensa e seu divórcio e falta de sintonia com o Brasil profundo. Num dia em que a Rio poderia voltar a ser a Cidade Maravilhosa ante o mundo todo os jornalões e as revistas optaram por tratar do burocrático caso do roubo de provas do ENEM. É de lascar. Pena que o Governo não possa dar um jeito na imprensa. Ela bem que precisa. Parabéns 1.000 vezes mestre Washington Araujo.

 

Carmem Alcantara , Barra do Piraí-RJ – Jornalista cansada de guerra

Enviado em 6/10/2009 às 2:20:42 PM

Maravilhoso texto, um texto… olímpico. Sinto-me representada por suas palavras. Sua coragem em detectar a causa mortis da nossa imprensa merecer louvor. Jornalões e revistas, tevês e rádios ecoam sempre a cantilena das balas perdidas, dos mensalões, de prova de Enem furtada… quando é que vamos parar com isso? Porque a imprensa só gosta de carniça embrulhada na forma de notícia? Seu texto é leve, gostoso de ler, erudito e até literário. Não sei se aprecio o senhor por causa de seu texto ou gosto do seu texto por causa do senhor. Qq ligação com os tostines do passado é real coincidência. O observatorio deveria colocar ESTE TEXTO EM DESTAQUE COM SUA FOTINHA E TUDO E AO longo dos próximos sete dias. Fazendo isso neófitos em jornalismo aprenderiam a como escrever bem sem ser pedante e quetais.

 

Max Suel , SP-SP – Engº

Enviado em 6/10/2009 às 2:18:48 PM

Trabalho e vivo do fruto do meu trabalho honesto há mais de 35 (trinta e cinco) anos. Pouco consegui de bens materiais, mas formamos duas filhas. Assim como eu, milhões de brasileiros trabalham honestamente e tiram do seu trabalho o sustento da família e todos colaboramos para o engrandecimento do país. Se o Brasil hoje está em situação melhor que ontem, isto deve-se a nós todos que trabalhamos. Governos bons são aqueles que não atrapalham. Governo algum produz algo. O dinheiro do bolsa família que é passado pelo governo, na realidade é nosso dinheiro. A riqueza da nação é feita pela população que trabalha e não pelos espoliadores políticos e políticos espoliadores. O Brasil está indo melhor apesar do governo, de qualquer governo. O dinheiro (dezenas de Bilhões) que serão gastos para sediar os Jogos Olímpicos do RJ sairá da população que trabalha e produz, não saíra do bolso do presidente ou do governador ou do prefeito do RJ. A vitória na escolha do RJ é de todos que se esforçaram para tanto, incluído aí o pres Lula, um dos muitos que trabalharam para o feito. Esperemos agora que hajam políticas públicas nos 3 níveis de governo que fomentem o esporte , para que em 2016 não repitamos as mesmas pouquíssimas medalhas de sempre. Esperamos também que o dinheiro investido não alimente os canais de corrupção de sempre. Viva o Rio de Janeiro, cidade irmã de São Paulo e nosso orgulho.

 

Luiz Augusto  Campos Pereira , Capivar-SP – economista

Enviado em 6/10/2009 às 2:16:25 PM

Ainda bem que existem brasileiros como você. Já estou cansado do pessoal do “não li, mas também não gostei”, ou seja, uma visão critica, pouco construtiva, mas que sempre vão dizer que nada foi feito. Você coloca com clareza todos os nossos últimos feitos, oxalá a imprensa brasileira pudesse se espelhar nas suas idéias. Parabéns. Você é um profissional de fato e um autentico brasileiro.

 

Pablo Rothammel , Uruguaiana-RS – professor

Enviado em 6/10/2009 às 2:16:22 PM

Por favor, diga-me onde o Clarín assumiu a campanha madrilenha. Se bem só tenho acompanhado as edições eletrônicas desse jornal, não há nada (nada mesmo) ali que indique atitude contra a candidatura brasileira. Pelo contrário, houve até uma enquete sobre se os leitores apoiavam ou não os jogos no Rio (esmagadora maioria apoiou). E reportagens sobre as oportunidades econômicas que o Brasil terá com o evento. Desculpe-me, mas da maneira como o senhor se manifestou, dá a impressão de que a mídia e a população argentinas ficam torcendo contra o Brasil, o que não é verdade. Prefiro acreditar que não houve má fé da sua parte. Mas por se tratar de um texto jornalístico, obviamente formador de opinião e justamente num espaço que faz (auto)crítica ao jornalismo, considero que a atitude é no mínimo irresponsável.

 

João Carlos Andrade Assumpção , Joinville-SC – jornalista nas horas vagas e oruglhoso de ser brasileiro

Enviado em 6/10/2009 às 1:57:44 PM

Afixe-se esse texto nas redações de Veja, Época e Carta Capital. Publique-se esse texto em páginas cnetrais das 3 revistas semanais de maior circulação no Brasil. Façam-se trabalho de equipe em turmas de jornalismo e cozinha espalahadas pelo Brasil tendo esse texto como base e marco regulatório. Depois de ler os Jucas Kfoury e Alberto Dines da vida malhando a conquista do Brasil de 2016 recebi com alívio o tipo do texto que gostaria de ter sido o autor. Cara, você desnudou o que move nossa mídia, nossa imprensa, o interesse para que o Brasil não dê certo e assim abra espaço para a oposição voltar ao Poder e destruir tudo de bom que você foi tão feliz ao arrolar logo no abre do texto. Parabéns Washington. Quero ver se a Veja ou a Época (que publicou texto corporastivista do Eugenio Bucci louvando a Globo e dmeonizando a Record) teria a coragem de abrir suas páginas para reproduzir seu texto. Esta estou prá ver!!! Belo texto e até a troca de América do Sul por Latina não diminuiu o brilho das ideias. É que existem ideias por trás das frases. Coisa rara.

 

Paulo Sérgio Cardoso Cardoso , Mauá-SP – jornalista

Enviado em 6/10/2009 às 1:56:07 PM

Ultimamente estava muito preocupado pensando que estava precisando visitar um analista porque na maioria das vezes as minhas avaliações e opiniões diante os noticiários eram bem distintos. Diante disto resolvi “remar contra a maré” dos doutores da caneta e outros, torci para que a cidade maravilhosa fosse a vencedora, fiz até campanha (bem timidamente) e graças a Deus os sapientes de plantão vão ter que engolir o sapo barbudo. Por falar nisso haja sapo barbudo prá engolir!!!! Senhor Washington Araújo,yes nós temos sapo barbudo. Parabéns pelo texto,na verdade é uma tese!!!!

 

José Paulo Badaró , São Paulo-SP – desempregado

Enviado em 6/10/2009 às 1:53:27 PM

Parabéns pela leveza, parabéns pelo texto, mas acho que o título bem que poderia ser: SEM MEDO DE SER FELIZ!

 

Carlos Fortunato , Belo Horizonte-MG – Professor pós-graduação UFMG

Enviado em 6/10/2009 às 1:50:32 PM

Você se superou em tudo. Texto elegante e não ufanista. Texto sincero, sério e de quebra com alto teor crítico. Poucos jornalistas teriam a contundência que você teve ainda mais aqui no Observatorio da Imprensa onde os ultimos textos do Dines e sua colegada estavam baixando o sarrafo na conquista brasileira, carioca mesmo de sediarmos os jogos olimpicos em 2016 e vem você e dá a cara a tapa dizendo que precisava ser dito: 1) A imprensa está preparada para cobrir o Brasil que não dá certo (genial, cara!); 2) A imprensa acostumou o faro jornalístico a captar apenas cheiro de maracutaia (o Enem é um caso exemplar) e não sabe se virar se da noite pro dia o mundo descobrir que existe um outro país (como, aliás, é o caso); 3) A imprensa é corporativista e partidarizada (seu moinho só sopra a favor dos demos-tucanos) e se deixar assume de direito o Poder (pois de fato já o faz a torto e a direito); 4) Seu primeiro parágrafo deveria ser abertura de verbete do governo Lula (tal a veracidade dos fatos ali destrinchados e expostos à luz da compreensão humana); 5) Tenho notado que você evitar a todo custo servir a qualquer ideologia política, ficando sempre na linha da crítica apartidária: em nenhuma frase saiu o nome Lula, Dilma, Serra, Ciro, Marina, Plínio. Apresentou fatos e deixou de lado seus autores pois dispensava autoria ou entáo é que todos sabem, né? Bem,VOU REPERCUTIR SEU TEXTO!

 

alvaro marins , rio de janeiro-RJ – professor

Enviado em 6/10/2009 às 1:05:26 PM

O problema maior de nossa mídia é um só: malhar o Lula e facilitar as coisas pro Serra. Problema da semana retrasada: apostar nos golpistas de Honduras. Problema da semana passada: estava tudo pronto para a criação de mais uma crise com mais um vazamento… Aí, aquele comitê de comunistas olímpicos cometem o displante de escolher o Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016. “Assim não dá, assim não é possível”. Problema do próximo fim de semana: hoje já é terça-feira e nenhuma “crise” à vista.

 

Daniel F. Silva , Rio de Janeiro-RJ – Professor

Enviado em 6/10/2009 às 12:46:42 PM

“E, de quebra, em 2016 já foi escolhido para sediar as primeiras Olimpíadas da América Latina.” América Latina, não. América do Sul. A América Latina já sediou uma Olimpíada, em 1968, na Cidade do México.

 

josimar bezerra bezerrra , sao bernardo do campo-SP – radialista

Enviado em 6/10/2009 às 12:46:24 PM

Os Sonhos não envelhecem!!!.Acredito no Brasil e sempre lutei por isso,lutei por um Brasil democratico,lutei por uma constituição cidadã;luto por um Brasil mais justo.concordo com texto.e vamos a luta.

 

helio bueno da silva bueno , campo limpo pta.-SP – analista de planejamento operacional

Enviado em 6/10/2009 às 12:44:11 PM

parabens…, principalmente pelo comentário sobre distinguir a opinião pública da “opinião publicada”, de acordo com o Miltom Neves em seu blog…o homem nasceu com a nuca virada pra lua.. e pensar que a oito anos atráz a inflação beirava os 70%.., que no Rio de Janeiro advogados ficavam nas filas disputando vagas para Garí.. nossos navios sendo recolhidos nos portos do mundo para pagar dívidas…nossas empresas sendo vendidas a preço de banana…hoje estamos emprestando ao FMI….. “O BRASIL é o CARA”…como dizia o saudoso Fiori Gioliotti “aguenta coração…abrem-se as cortinas e começa o espetáculo….”

 

Oslei Coneglian , Osasco-SP – Professor

Enviado em 6/10/2009 às 11:47:58 AM

Parabéns! Você conseguiu traduzir meu pensamento, em relação a nossa mídia, melhor do que eu. É por essa e outras que estou brigando com um dos grandes jornais aqui de São Paulo: eu já implorei para eles pararem de entregar na minha casa um jornal que não pedi e nem estou pagando, já mandei e-mail pedindo que suspendam essa entrega, mas não adiantou nada, eles insistem em entregar. Fazer o que, sou obrigado a pegar este dito jornal antes que meus cachorros rasguem e comam suas páginas e tenham indigestão, a mesma que evito em não consulmir porcarias. Um forte abraço.

 

Salvador  Dias , São Paulo-SP – Ator

Enviado em 6/10/2009 às 11:45:41 AM

Parabéns Washington, pelo belíssimo texto. NÓS NÃO TEMOS QUE SENTIR VERGONHA DE COMEMORAR( Como dizia Gonzaguinha: “Viver, e não ter a vergonha de ser feliz…”) Não temos que dar ouvidos e muito menos credibilidade a essas aves de mau agouro. Como você bem disse, são inúmeras gerações sonhando com um Brasil melhor, mais respeitado, mais justo, e justo (desculpe a redundância) agora que vemos de perto tudo isso, não há sentido nos calarmos. O Brasi, hoje é um país grande, como sempre deveria ter sido, se não estamos ainda no ápice do desenvolvimento, temos consciência de que estamos caminhando a passos largos em direção a ele. E não há como desvincular os resultados destas conquista à atuação do presidente Lula, não foi algo que nos foi dado de presente, foram conquistas alcançadas com muito suor e muito sangue do povo brasileiro sob a liderança inquestionável do presidente.

 

Eduardo  Ramos , Rio de Janeiro-RJ – funcionário público

Enviado em 6/10/2009 às 11:36:35 AM

Parabéns! Impressiona como o preconceito fanático contra o Lula e o desejo de eleger Serra, fez com que a Imprensa de um modo geral distorça a realidade, os jornais virando planfetos, e não jornais… deplorável! Inclusive tolo, nesse Brasil cada vez mais digital, onde colunistas como você demolem essa hipocrisia, essa desfaçatez! Ninguém quer uma Imprensa “chapa branca”, mas não queremos também uma imprensa “oposição-a-qualquer-custo”, com omissões ou destaques falsos, que só desejam manipular, e não informar. Viva o bom momento que vive o Brasil! Abraço

 

Edilson Colares , Brasilia-DF – Bancário

Enviado em 6/10/2009 às 11:33:51 AM

Parabéns. A verdade é que alguns não aceitam que um torneiro mecânico, nrdestino, que não fala inglês, se diploma superior, esteja sendo o maior estadita da história do Brasil. E isso em uma situação de democracia!!!

 

carlos  anselmo , fortaleza-CE – engenheiro

Enviado em 6/10/2009 às 11:26:11 AM

claro que é isso, washington. parte dessa mídia pratica o jornalismo de prateleira e de insinuações. também concentrada nas mãos dos frias, marinho, mesquita, civita e quejandos, queria o quê? enquanto não mudar essa estrutura, só a globosfera é quem tem a chance de alterar essa assimetria, né não? parabéns pelo texto e viva o brasil!!!!

 

Paulo AUgusto , Brasilia-DF – advogdo

Enviado em 6/10/2009 às 11:22:13 AM

Parabéns pelo texto!

 

Dante Caleffi , Rio de Janeiro-RJ – Publicitário

Enviado em 6/10/2009 às 11:11:37 AM

Onde está Wally? Ou melhor,Lula. Desapareceu da mídia , da iconografia das mídias nacionais.E o vexame de promover a desmoralização do Ministério de Relações Exteriores? Hoje, essa mesma mídia prova o quanto o governo estava certo.Mesmo assim ,não dão o braço a torcer. Repentido a pergunta do parágrafo inicial: onde Lula se encontra? Bélgica,Suécia,”algures no Algarve”? Lembram ,Stalin, especialista em sumir biograficamente com seus desafetos políticos,e antes da invenção do Photoshop, alterações iconográficas e claro,”in extremis”,extingui-los.

 

suely gomes , São Paulo-SP – professora

Enviado em 6/10/2009 às 11:10:45 AM

“Poderíamos começar a trabalhar para ter uma imprensa pautada pela ética e pela duradoura defesa dos direitos humanos. Uma imprensa que saiba distinguir opinião pública de opinião publicada, interesse público de interesse privado”. Concordo plenamente! Essa deveria ser a luta e não a defesa intransigente do diploma de jornalismo! Chega de burocracia! Abaixo a herança maldita da burocracia portuguesa!

 

Savio  Mota , Fortaleza-CE – Estudante

Enviado em 6/10/2009 às 10:51:00 AM

A depender do grau de nossos preconceitos, em maior ou menor altura o texto de Washington Araújo é contaginate – mas é preciso atentar que esse país exaltado é o mesmo de mensalões, ENEM, . Concordo plenamente que há carência em saber lidar com notícias boas, mas o esporte é sempre tratado com uma alegria infinda, quase sempre ufanista, totalitária e, portanto, quase nunca crítica (regra contrariada por pouquíssimos veículos). Vejamos o PAN 2007: valeu à pena? Se nem para as Olimpíadas 2016 legou muita coisa, senão um orçamento final sete vezes maior que o inicial… Não seria possível um outro jornalismo também sob esse ponto de vista? O que o autor traz é pertinente e oportuno; mas há muito mais do que otimismo a se revelar – a indiferença não desculpa tão graves omissões.

 

roberto das graças  alves , pedro leopoldo-MG – aposentado

Enviado em 6/10/2009 às 10:33:13 AM

belo texto. a chamada grande mídia brasileira (TV Globo, jornal O globo, FSP, Estadão, Veja) partidarizou. filiou-se ao PSDB e satélites. apresenta-se contra o governo Lula e o PT, simplesmente. lamenta-se a falta de patriotismo e a hipocrisia dos editores e jornalistas de tais veículos. o tratamento dispensado ao J.Serra, Yeda e Aécio em contraponto àquele dado à Dilma, Ana Júlia, Jaques Wagner e outros do campo da esquerda democrática é absurdo. o governo Lula, a meu sentir, deveria simplesmente proibir qualquer publicidade da administração direta, indireta e empresas públicas e de economia mista, nos citados veículos. a mídia brasileira está uma vergonha. adiro integralmente aos fundamentos do proficiente texto em comento.

 

Valmir Ribeiro , Brasília-DF – Estudante de Jornalismo

Enviado em 6/10/2009 às 10:29:44 AM

Parabéns mais uma vez Washington! Tem colaborado com ótimos textos para esse Observatório! Os jornalistas de hoje já estão ganhando o estígma de “profetas do apocalipse”. É impressionante como a nossa imprensa ainda fica pouco a vontade para celebrar as nossas vitórias. Ainda bem que MUITAS previsões apocalípticas, não se confirmaram e a “marolinha” tão criticada por diversos setores da mídia se consolidou. Vimemos um momento em que estamos colecionando vitórias nos mais diversos setores da administração pública, como nunca antes. Retratar a REALIDADE é a função do bom jornalista, seja ela boa ou ruim. Que nos acostumemos também a retratar as nossas vitórias, que ultimamente (pra nossa felicidade) estão ocorrendo com maior freqüência!


Gabriel  Rebello , Rio de Janeiro-RJ – médico

Enviado em 6/10/2009 às 10:12:29 AM

Concordo com você sobre a celebração! Vamos festejar o Brasil que está dando certo!

 

 


ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado