Conselho de Talmud: “Três coisas enfraquecem o ser Humano: o medo, o pecado, a viagem”.
Conselho de Miguel Torga: “Viajar não é bem o que diz a agência Cook. Aquela honrada companhia é, sem saber, uma espécie de agência funerária… Viajar, num sentido profundo, é morrer”.
Conselho de Jonathan Raban: “Num país subdesenvolvido, não beba água. Num país desenvolvido, não respire o ar”.
Conselho de Jorge Luís Borges: “Viajar de avião é chato; além disso, as companhias se encarregam de aterrorizar as pessoas: Em caso de despresssurização, uma máscara de oxigênio cairá à sua frente… Quando a gente viaja de trem não há dessas coisas”.
Conselho de John Florio: “Um viajante deve ter olhos de falcão, estômago de avestruz, lombo de camelo; deve carregar dois sacos, um cheio de paciência, outro cheio de dinheiro”.
Conselho de Jonathan Swift: “Sempre começo uma viagem no Domingo. Assim aproveito a benção da igreja para me proteger”.
Conselho de Oscar Wilde: “Quando viajo, sempre levo o meu diário. A gente precisa de alguma coisa sensacional para ler em viagem”.
Conselho de Christopher Fry: “Viajo leve. Só levo o meu corpo pro causa do valor sentimental”.
Conselho de William Hazlitt: “Regra número 1 par quem viaja para o exterior: leve consigo o senso comum, deixe em casa o preconceito”.
Segundo um provérbio espanhol, “se a jornada é longa, até palha pesa”.

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado