Para aplacar a aridez de dias secos, nada como as águas de Ranchipur que vi em um filme que povoou minha infância. Essa sede de água, muita água… Imagino três grandes rios: o Ganges sagrado, na Índia; o Solimões, no Marajó brasileiro; e o Tejo, por trás dos antigos armazéns do porto de Lisboa. Esses rios preparam silenciosos as pororocas do destino, reunindo corações e mentes, juntando cacos de sonhos, colando-os com porções pequenas de utopias.

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Observatório da Imprensa
  • Vale

ESPAÇO PUBLICITÁRIO

  • Carta Maior
  • Meu Advogado